quinta-feira, 6 de setembro de 2007

MONZA – A CORRIDA E A “NÃO-CORRIDA”

De certa forma, o fim-de-semana do Grande Prêmio da Itália começa muito parecido com o do ano passado. De um lado, a expectativa por uma prova decisiva para a briga pelo título da temporada. Do outro, um assunto extra-pista dominando completamente o interesse de todos os presentes aqui. Em 2006 era sobre a possível aposentadoria de Michael Schumacher, o que acabou se confirmando no domingo. Hoje, é sobre a reunião do Conselho Mundial da FIA, marcado para a próximafeira, 13 de setembro.

O fato é que a Ferrari encontrou novas provas no caso e entregou nas mãos da FIA, que decidiu cancelar o Tribunal de Apelação (que serviria apenas para confirmar, ou reverter, o veredicto feito) para fazer uma reunião do Conselho, que fará uma nova apreciação do caso diante das novas evidências surgidas.

Ninguém além de Ferrari e FIA sabe quais são estas provas. Lógico que surgiram mil especulações. E uma que está tomando força no paddock é realmente muito grave. Mike Coughlan teria recebido de Nigel Stepney informações sobre o F248 F1 – especialmente sobre o uso que ele fazia dos pneus Bridgestone –, no mês de julho do ano passado. Ele teria então usado estas informações para projetar o carro da McLaren deste ano, com o conhecimento e consentimento de Ron Dennis.

Se houver um mínimo de verdade nisto, todos os argumentos usados pelo chefe da McLaren vão por terra. A equipe pode receber uma punição dracônica – a exclusão deste e do próximo mundial – que significaria praticamente sua extinção. Afinal, que empresa gostaria de ver sua marca associada a uma equipe como esta?

Ainda no campo da especulação, diz-se que o medo de tomar tal punição teria levado Ron Dennis a “cozinharseu acordo com David Richards e a equipe Prodrive. Se o castelo de Woking desmoronar, ele teria à mão uma vaga na categoria, através de uma equipe nova e limpa. Poderia assumir ela, ou vender todo seu espólio para Richards, ou a quem se interessar, e sumir do mapa.

+++

Toda esta incrível história, descrita nos três parágrafos acima, pode se revelar mesmo mera especulação. Vai ver, a prova que a Ferrari arrumou não é tão quente assim e nem serviria para punir a McLaren de alguma forma. Ou a FIA encontrará uma punição de compromisso, para não manchar um campeonato tão emocionante e não acabar com uma equipe tão poderosa e popular da categoria.

De qualquer forma, o fato da decisão sair na quinta-feira é um indício que o caso vai se arrastar um bom tempo ainda. Qualquer que seja a decisão do Conselho Mundial, Ferrari ou McLaren (quem delas se sentir prejudicada pelo veredicto) certamente irá acionar seus advogados e levará o caso ao Tribunal de Apelação. Vai ver, o campeão de 2007 será decidido apenas em um frio dia de dezembro, na Place de la Concorde em Paris, por uma turma de engravatados.

Aconteça o que acontecer, a Fórmula 1 se recuperará rapidamente do dano de imagem sofrido por (mais) este escândalo. Mas faria melhor se repensasse completamente seu conceito e voltasse a trazer o esporte à frente do dinheiro. Seria pedir demais?

+++

Sim, esporte! Porque teremos uma corrida neste domingo, e promete ser boa. A McLaren dominou os quatro dias de testes aqui em Monza na última semana e chegou ao circuito como favorita. Mas Felipe Massa mantém uma tranqüilidade impressionante, maior até da que presenciei antes do GP da Espanha, em Barcelona. “Eles serão um adversário forte, mas nós estamos muito rápidos aqui. Mais do que eles. Os testes são importantes, mas é na corrida que os resultados aparecem”.

Curiosamente, pela primeira vez em muitos anos, a equipe italiana não fará seu tradicional jantar de gala na noite de sábado em Monza. Pode ser porque prevêem tomar uma lavada da McLaren na própria casa – contrariando as palavras de Felipe. Pode ser apenas bom senso. Correndo atrás do prejuízo na tabela e em meio a um escândalo de espionagem envolvendo um funcionário seu, nãomesmo muitos motivos para celebrar.

5 comentários:

Milton M. Bonani disse...

Que pena! Sendo assim, Brunello de Montalcino só no ano que vem.

Anônimo disse...

"Correndo atrás do prejuízo".

O correto é correr atrás do lucro.

Abraços

Carlos Caetano/MG

Mauricio Neves disse...

Concordo 100%, Ico. Que voltem a priorizar o esporte.

Dr. Risardo F. Caldas disse...

Ico, concordo plenamente com você quando cita a existência de uma corrida e uma não-corrida e tenho atentado para isso no meu blog, pois está acontecendo muita coisa fora das pistas e pouco dentro das pistas.

O foco desse ano infelizmente está totalmente voltado para os bastidores, mas espero que a decisão desse ano seja bem ruim para a F! a ponto dela voltar a se focar mais no esporte e cuidar mais da categoria e não só dos interesses comerciais. Seria uma pena para o campeonato deste ano, mas há revéses que são necessários para fazer a categoria melhorar.

Anônimo disse...

Ico infelizmente na cabeça dos "donos" da F1 entre dinheiro e esporte o segundo passa longe !

abs

Filipe W