segunda-feira, 5 de maio de 2008

FALA FRITZ!!!

Está imperdível a entrevista que eu fiz com Fritz d’Orey publicada hoje no GP Total. Suas opiniões sobre a Fórmula 1 atual e suas lembranças de como era a categoria nos anos 50 renderam um material delicioso. Confira lá e comente aqui!

8 comentários:

Herik disse...

Impressionante o que ele diz a respeito do Lotús de 72. Não dá para imaginar então o que são os carros de hoje emr relação aos da década de 50.

Só não concordo que Piquet e Senna tenham sido "apertadores de botões" com sorte. Pode até ser que Senna tenha sido beneficiado por quase sempre pilotar para equipes de ponta, mas ele mostrou competência para estar nesses carros. Piquet então, nem se fala. Mostrou-se vencedor mesmo sem os melhores carros.

Carlos Rossine disse...

Belíssima entrevista! Fantástico!

Thiago Arantes disse...

Muito bom, Ico! Eu falei com o Fritz uma vez, sempre rende boas histórias...

Emendando o comentário, uma pergunta: o Nano da Silva Ramos ainda está vivo? Na última vez que soube algo sobre ele, era que morava na Europa.

Eu acho que é o último "elo perdido" do Brasil na F-1. Nunca vi notícia ou entrevista dele.

Alexandre Carvalho disse...

Muito bacana! Em 2002, estive na casa do Fritz - uma belíssima cobertura na Avenida Atlântica, em Copacabana -, onde bati um papo com ele que resultou na entrevista que publiquei em meu blog e no Forix.

Quem quiser, pode conferir aqui.

Anônimo disse...

Ótima entrevista Ico.
É sempre bom saber a opinião e a história de quem esteve na F1.
Abraços,
Guilherme

Ituano Voador disse...

Excelente entrevista, e que figura! Agora, uma coisa me impressionou... Stirling Moss, um mau-caráter? Nunca tinha ouvido algo parecido... rolava mesmo esse comentário entre os outros pilotos da época?

Raul Costa disse...

eu gostei do q ele falou do barrichello.

tomo como verdade, daqui pra frente!

Daniel Médici disse...

Uma história de vida fantástica, um acidente que encerrou prematuramente a carreira, a identificação com um piloto que não conquistou títulos, um certo desprezo a campeões mundiais.

Está tudo lá. Ico, é uma grande entrevista que construiu um personagem fascinante!