quarta-feira, 30 de julho de 2008

O FUTURO DE FISICHELLA

A Superleague anunciou hoje o AS Roma como novo integrante de seu campeonato. O carrinho vai ser gerenciado pela FMS, de propriedade de Giancarlo Fisichella. Eu não tenho a menor dúvida de que ele logo estará sentado no cockpit do bólido acima para disputar algumas corridas. Nem tanto pela grande probabilidade dele ficar desempregado ao final do ano, isso é o de menos. É mais pelo fato dele ser daqueles torcedores roxos e que nunca perderia a chance de fazer o que gosta (pilotar) defendendo as cores do time que ama. O cara é doido pelo Roma! E acha o Falcão o maior craque da história do clube.

O mesmo Falcão que era o capitão do primeiro onze de futebol de botão que eu tive na infância. Outro dia, desenterrei o que sobrou da esquadra de plástico e fui brincar com meu sobrinho. Ele não achou muita graça naquilo. Será que a arte do botonismo morreu com as gerações mais novas?

5 comentários:

Tuta Santos disse...

Amigo Ico,
o botonismo vive, sim.
Não é porque uma geração vive à base de pixels que não tenha uma pequena parcela dedicada ao que é do bom e do bem.
Abs

Mauricio Neves disse...

Talvez para as mais novas. Eu tenho meu campo de MDF, com as balizas com redinhas de filó, e times acondicionados em caixas de charutos, envoltos em feltro.

Thiago Alves disse...

Olha... como diria a música Eduardo e Monica, eu jogo futebol de botão com meu avô.
E sempre perco para o velhinho hehehe.

politicamente_incorreto disse...

É bonito saber dessa atitude de torcedor "roxo" do sempre simpático Fisichella, aproxima mais pesonagens que parecem viver em um ambiente "star wars" do cidadão comum, eu sou torcedor fanático do Fluminense, independente de estar em primeiro ou em ultimo no campeonato, isso é detalhe importante é o amor irracional que você tem pelo seu time, isso deve ser um resquício medieval arraigado em todos nós, é o nosso lado guerreiro( quando ganhamos) e o nosso lado humano ( quando perdemos)vivendo harmoniosamente dentro de nós.
Qunato ao seu sobrinho tudo se reduz a mídia, não existe mídia para nenhuma das modalidades de brinquedos ou brincadeiras digamos assim, jurássicas ( ou do nosso tempo) sempre fui um péssimo jogador de futebol de botão, mas era perseverante, igualmente em ping-pong e outra modalidades de salão, sempre fui um côcô, mas sempre participava, afinal toda a competição tem que ter um vencedor e necessáriamente um ultimo colocado, as vezes eu conseguia me livrar dessa ultima condição, mas só as vezes....

Bruno disse...

Ico, o botonismo não morreu não!!! Temos, no Brasil, além das federações e "profissionais", muitas crianças, adolescentes e muitos adultos e "masters" jogando por todo o Brasil!!!
São duas paixões: botonismo e automobilismo...
[]s