quarta-feira, 20 de maio de 2009

VAI FICAR

Nelsinho Piquet, com sua sinceridade desconcertante, sobre a crise política: “É chato para o espectador que não está tão por dentro e recebe a cada dia uma notícia diferente, inclusive esta história absurda que a Ferrari vai deixar a categoria. Mas quem está aqui todos os dias sabe que é pura pressão. Eles estão querendo que a coisa não seja exatamente do jeito que o Max Mosley quer e mais do jeito deles”.


O piloto brasileiro foi ao ponto. A briga continua acirrada, mas fatalmente um compromisso será acordado. Porque se é mentira dizer que a Fórmula 1 não precisa da Ferrari, o contrário também não é verdadeiro: as duas entidades, time e categoria, vivem numa simbiose como se fossem gêmeas siamesas. Se forem separadas, morrem. Ambas sabem disso.


Hoje aqui no paddock, ganharam mais força as informações que Toyota e Renault estão fazendo uma grande reavaliação da sua participação na Fórmula 1, por questões meramente econômicas. Algo que não dependeria da existência de um teto baixo de orçamento baixo ou da adoção deste ou aquele conjunto de regras. Seria apenas uma decisão empresarial.


Assim, o fantasma de uma liga paralela não passa de uma criança coberta por um lençol branco. Porque se quatro montadores deixarem a F-1, umas três devem fazê-lo para deixar o automobilismo como um todo. A Ferrari vai correr sozinha? Contra si mesmo?


O compromisso deve ser costurado em breve, talvez aqui mesmo neste final de semana em Mônaco. Acredito que as equipes vão assinar para o Mundial do ano que vem e, em troca, ganharão um teto orçamentário mais altoou quiçá nenhum teto, mas com um regulamento com ainda mais restrições técnicas que as permitam operar com um orçamento mais baixo.


E, espero, amanhã virei ao circuito para falar de esporte...

6 comentários:

Eduardo Gaensly disse...

Eu lembro que a um tempo atrás, eu vi que a Ferrari era a única empresa que vendia carros de rua pra finaciar as corridas. Todas as outras faziam o contrário.
A Ferrari sem a F1, teoricamente, perderia seu motivo de existir.

Acho que em todos os circuitos do mundo, até aqueles que tem pouca torcida, tipo China, Malásia e sei lá mais onde, sempre tem uma grande parte do público com bonés da Ferrari. É uma das marcas mais reconhecidas do mundo deve ter a maior torcida da Fórmula 1. Isso se não for a única equipe que tenha uma torcida que é fiel...
A F1 sem a Ferrari, perderia muitos espectadores.

O problema é que quem cuida da F1 não dá muita bola pro público.

Anselmo Coyote disse...

Ufa!!! Consegui ler o último parágrafo. Ô trem truncado, sô.
Mas é isso aí. Tb acho qe Ferrari não sai, Ico.
Abs.

Henry disse...

ICO,
Enquanto Montezemolo é o capo da Ferrari e da Fiat, a situação das equipes BMW, Renault e Toyota é bem, digamos assim, menos autônoma.

Os resultados desastrosos do 1o.semestre da economia japonesa devem deixar a Toyota Racing mais frágil ainda.

McLaren é refém...

Well, é o que você escreveu nas "CARTAS NA MÃO DE MAX"...

Enquanto esse senhor estiver à frente da FIA, a F1 tende a piorar em termos esportivos.

1abraço

Ingryd Lamas disse...

Se tem uma coisa que gosto em Nelsinho, é a sinceridade, e a inteligencia tb, garoto esperto, e falou tudo que tinha pra falar, o que era a verdade, simples assim.
pura pressão, nunca passou disso.



bjs

Pedro Cunha disse...

Só os covardes deixariam de lutar por antecipação.

Cesar Costa disse...

Continuo achando que Mosley & Bernie estão passando a perna nas equipes das fábricas. Vão chegar a um acordo e a distribuição da grana, que era o início da discussão, acaba esquecida...