sábado, 4 de julho de 2009

TV BLOGO – CSN: WOODEN SHIPS

Sábado de correria com compromissos familiares, mas dá tempo para colocar um registro musical que estava ouvindo agora há pouco: Crosby, Stills & Nash em uma de suas melhores canções. E o melhor: ao vivo em Woodstock, aquele festival que vai virar quarentão no mês que vem. Dois ícones, a banda e o evento, da contracultura – uma manifestação como há muito não acontece na sociedade moderna. Tenham um ótimo dia!

3 comentários:

Ron Groo disse...

Ico...Eu estou aqui com a caixa (em vinil) do Festival de Woodstock e está lá: Wooden Ships está creditado à Crosby, Stills, Nash and Young.

Das três que foram registradas neste disco esta é a única que tem a participação do grande Neil...

As outras duas (que não tem Young) são:Sea of Madnes e a Suite Judy Blue Eyes.

Discão!

Pedro disse...

Excelente pedida, Ico!

Mas essa gravação que você indicou pra gente é de estúdio mesmo, e as imagens acho que são de um documentário, se parecem muito com o jeitão das imagens do filme sobre o festival de Monterrey (na minha opinião, musicalmente bem melhor do que woodstock, apesar da presença do CSN&Y no woodstock)

Esse filme/documentário sobre Monterrey eu recomendo pra todo mundo, é muito bom mesmo, de um tal de D.A. Pennebacker (acho que é esse o nome do diretor).

Agora, sobre woodstock no mínimo duas pessoas não acharam assim nada de mais: o Neil Young e o Pete Townsend (hehehe, palavras dele: "é isso aqui a chamada contra cultura? um monte de gente semi nua enlameada de barro se chapando? eu prefiro é voltar pra minha terra, lá as pessoas têm um mínimo de civilização...")

aqui em baixo temos links com o áudio dele expiulsando um protestante hippie que invadiu o palco do Who no meio do show.

http://www.youtube.com/watch?v=Q8BYgzIEHIY

http://www.youtube.com/watch?v=B_xR__PLTyY&feature=related

Na minha opinião Woodstock foi meio o fim daquela coisa toda. Monterrey foi o ápice (considerando os festivais como marcadores de época).

O George Harrison esteve em Monterrey, e também achou a coisa toda meio estranha ("aquela gente toda chapada o tempo todo, sem um objetivo muito definido, não gostei")

E Altamont foi a tampa do caixão.

PS: lembrando que o Harrison e o Townsend eram muito espiritualizados à época. E o Neil Young sempre foi um cara pé no chão. Então acho legal termos essas opiniões meio contrárias de que tudo era um maravilha... Eu adoro a música, mas desconfio das pregações. Putz, que comentário grande! Foi mal...

Rodrigo Mattar disse...

Isso mesmo... a gravação aí em questão não é ao vivo. É em estúdio. Mas não tira o valor histórico dessa canção. Vida eterna ao rock and roll e vida longa a Neil Young!
PS.: Neil Young toca, sim, em "Sea of Madness" no festival de Woodstock. Ele é quem castiga o órgão Hammond B3 na canção.