quinta-feira, 12 de novembro de 2009

A VOLTA DO INCONFIDENTE

O contra-ataque jurídico de Flavio Briatore era óbvio desde a publicação do veredicto dado pela FIA em cima do odioso “Crashgate”. Embora ninguém são duvide de seu conhecimento e envolvimento no episódio, os argumentos inconsistentes da decisão deixaram mesmo a impressão de que o seboso italiano precisaria apenas de um bom advogado para tentar revogar a controversa pena.

faz algum tempo que o paddock recebe ventos que sopram um possível retorno de Briatore. Certo mesmo é que ele não ficou parado desde que foi banido do esporte. No último mês, um investidor de Luxemburgo chamado Gerard Lopez apareceu como um candidato a comprador da Renault, mas a conversa não foi adiante. Ao que parece, porque houve a desconfiança que por trás dele estaria justamente Briatore. Ou seja: no nebuloso núcleo de negócios e poder que rege a Fórmula 1, ninguém o dá como vencido.

Quanto
ao retorno de Nelsinho Piquet à categoria, a situação parece mais complicada. Embora a maioria das novas inscritas ainda possuam vagas, o interesse se concentra em pilotos muito experientes ou em quem tenha muito dinheiro para trazer. E o brasileiro não se encaixa em nenhum destes perfis. Uma temporada nos Estados Unidos aparece como variante mais provável para ele.

10 comentários:

Aderson disse...

Tambem já estou achando muito dificil o retorno do Nelsinho.
Por mais que ele fale no Twitter que ainda está negociando, acho que é pura balela.
As portas estão fechando e acho que só existe uma janelinha pra tentar voltar que seria a Sauber.
Talvez com uma conversa do Bernie possa acontecer. Mas acho muito, muito dificil.
Provavelmente ele irá correr de ALMS ou talvez a DTM.

Luiz G disse...

Eu gostaria que o Nelsinho fosse para os Estado Unidos, tivesse sucesso e ficasse por lá. Seria mais legal vê-lo vencer do que o helio Castroneves.

Anselmo Coyote disse...

Ico,

Eu gostaria que o Nelsinho voltasse, corresse numa equipe decente, ainda que pequena e nova, e tivesse a chance de correr como qualquer iniciante.

Se não for bom, que tenha o mesmo destino dos outros.

A primeira experiência dele não valeu. Não mesmo.

Mas na F1, como em todo lugar onde o vil metal dá as cartas, tudo é hipocrisia.

Abs.

Beatle Ed disse...

Coyote, eu gostaria que o Nelsinho voltasse, tivesse a chance de evoluir dentro da categoria, disputasse o título com um piloto do Briatore e chegasse a ser campeão do mundo!

Aí sim ele daria uma banana pra todos e eu morreria de rir!!

Mas acho que não vai rolar! :-(

Marcos Antônio Filho disse...

seria bom que essa dupla não voltasse a F1, não estão fazendo falta...

Anselmo Coyote disse...

Beatle,

Tbém acho que não. Acabou mesmo.
Se fosse ele eu voltaria para a GP2 e ficaria lá correndo, ano após ano, aprendendo para ser chefe da equipe. Se pintasse nova chance na F1, ótimo. Senão, tudo bem também. Não dá pra voltar atrás mesmo.

Abs.

Anselmo Coyote disse...

Marcão,

Ninguém é insubstituível. Perde-se um pai, uma mãe, um filho, uma namorada... e a vida segue.

É preciso maturidade para saber que a vida é um
sopro, que não somos nada nem donos de nada, muito menos da verdade. Que erros compõem a essência do mundo.

É preciso avaliar o potencial ofensivo dos erros, o arrependimento das pessoas, a punição moral que a própria pessoa experimenta ao se olhar no espelho e não se orgulhar do que vê, do que fez.

Desde que o mundo é mundo as pessoas têm essas experiências na simples e essencial arte de viver.

É preciso compreender que não podemos voar. Somos somente uns miseráveis condenados a nos arrastar fincados no chão até o fim de nossa existência.

Pessoas que se julgam bastiões da moralidade também existem, desde que o mundo é mundo, brandindo sua espada imaculada e cortando cabeças, na medida de suas medidas.

Assim como existem aquelas que perdoam, dão uma segunda chance para que o seu semelhante se reerga, se promova, melhore como pessoa, possa corrigir o próprio erro e finalmente a pulsação da vida possa cumprir o seu papel.
Essas eu admiro. Daquelas eu tenho dó.

Abs.

Aderson disse...

Mesmo que o Nelsinho consiga essa tão suada vaga na F1 em 2010, ele teria que fazer algo "espetaculoso" que alavancasse seu nome no circo da F1. E sinceramente, ele não conseguirá fazer isso numa equipe pequena. Acredito que vá se afundar ainda mais andando com uma equipe estreante.
O melhor que o Nelsinho faz é correr na Indy.
Tem a equipe do Gil de Ferran que está iniciando e os dois cresceriam juntos. O Gil seria um excelente chefe de equipe e ajudaria muito o Nelsinho nessa nova empreitada.
O Nelsão fez a historia dele na F-1 e o Nelsinho faria sua historia na Indy.

Beatle Ed disse...

Pois é Anselmo, acho que o motivo maior não é nem o fato de Nelson ter sido desonesto com o público, com o esporte etc…

O problema é que ele traiu a confiança da equipe (por mais errada que a equipe também estivesse).

Poucos chefes o darão uma nova chance depois do que provou ser capaz.

E pensar que ele fez tudo isso instruído por seu pai, esse sim motivado por pura vingança cega, e absoluta e total inconsequencia!

Será que Nelson (pai) não pensou no que essa atitude representaria pra futuro do seu filho? Foi egoísta a tal ponto de só pensar em aniquilar um inimigo histórico sem se importar com nada??

Acho toda essa história meio absurda.

Imagina o quanto Piquet investiu na carreira do filho? Não só $$ mas tempo, trabalho, esforço…

O garoto correndo de Kart, depois mudar de categoria, de país, montar uma equipe, funcionários, viagens, testes, equipamento, acessoria de imprensa, etc etc etc…

Tanta coisa, e tanto tempo jogado fora por causa de vingança?

É realmente muito difícil de acreditar.

Eu sempre achei vingança uma coisa ruim para os dois lados.
Você pode até se vingar mas acaba no mesmo buraco.

Aderson disse...

Ao que parece o futuro de Nelsinho é mesmo no EUA.
O piloto correrá de Kart na proxima semana por lá e antes disso assistirá uma corrida da NASCAR.
Alem do mais vai conversar com alguns times que irão correr nas 24 HS de Daytona para acertar sua participação nesta prova.
Ao que parece, enquanto a F1 está fechando as portas para Nelsinho, os americanos estão o recebendo de braços abertos.
Acho que essa constante estadia do Nelsinho nos EUA vai acabar lhe contagiando.
Tomara!!