terça-feira, 18 de maio de 2010

VOLANTE E CONTROLE-REMOTO

Muita gente questionou se Rubens Barrichello seria punido pelo incidente do volante jogado na pista. Afinal, o item 30.5 do regulamento da FIA é claro nesse ponto, o volante deve ser colocado de volta no lugar depois do piloto ter saído do carro.

30.5 A driver who abandons a car must leave it in neutral or with the clutch disengaged, with the KERS shut down and with the steering wheel in place.

Não foi o que aconteceu na Williams do brasileiro, já que o volante foi coletado pela Hispânia de Karun Chandok e se desprendeu do carro do indiano apenas na saída do túnel. O ato de desespero de Barrichello é fácilmente compreensível para quem tem um mínimo de razão: depois de duas pancadas fortes (a primeira, mais), o piloto se viu com o carro avariado e de frente para o tráfego no meio de uma curva cega. O cérebro comandou uma descarga de adrenalina gritando “saia dali” e ele reagiu prontamente. Exigir compostura numa situação dessas – ou ainda achar que o fez para prejudicar os outros (???) é algo fora de propósito.

Curiosamente, quem o livrou de uma conversa com os comissários para explicar sua visão sobre o incidente foi justamente Michael Schumacher. Com a manobra polêmica do alemão na última volta, eles ficaram com uma batata-quente nas mãos e simplesmente se esqueceram de chamar Barrichello para um depoimento, algo que pretendiam fazer. Quando se deram conta, era tarde demais: a noite caíra e o piloto – e quase todo mundo que trabalhou na corrida – já tinha ido embora faz tempo. Foi o que disse um dos comissários, Paul Gutjahr, segundo nos relatou o colega suíço Roger Benoit. O caso está encerrado.

A questão que fica é se o brasileiro receberia uma punição. Difícil avaliar, mas um outro evento do final de semana sinaliza que ele receberia, no máximo, uma advertência. Isso porque na classificação no sábado, Jenson Button não pensou duas vezes quando se deu conta que o controle remoto do seu monitor tinha ficado dentro do cockpit quando ele foi para a pista. O inglês simplesmente jogou a peça para fora do carro na Rascasse. Sorte que um fiscal atento viu a cena e guardou o objeto. O ato não teve nenhum tipo de conseqüência. É certo que o objeto arremessado por Barrichello era maior, mas sua justificativa também era.

(Foto Luis Fernando Ramos)

6 comentários:

Smirkoff disse...

Obrigado pelo esclarecimento, Ico!

Juliano disse...

Na boa... alguém pensar que o Barrichello atirou o volante de propósito na pista para prejudicar quem quer que fosse, deve ser porque o sujeito é portador de uma grave deficiência mental. Só isso explicaria aventar um absurdo desses.

tibone disse...

Com certeza não foi para prejudicar ninguém. Quando aconteceu a batida, até comentei com minha esposa. "Ficou brabo porque errou e jogou o volante, coisa de menino birrento".
Mas se a suspensão quebrou, deve ter sido um puta susto. Ainda mais ali.

Mas de qualquer maneira. Acho que ele não precisava ter jogado o volante.

E o Button deveria ter sido punido também.

(Putz, ando parecendo um carrasco, quero punir todo mundo.. haha)

Off with his head! (já diria a Rainha Vermelha).

Ron Groo disse...

Não gosto do Barrichello e nem de muitas de suas atitudes. Mas pedira para ele sair do carro com toda a calma possível naquela hora... Nem dá.
Eu acho que teria feito o mesmo. Tanto pelos motivos que ele explanou quanto pela frustração que imagino deva ter sentido por deixar a prova.

Ester disse...

Depois daquele susto, ver os carros a média de 300km/h perto dele depois da batida atrás, o acidente de 1994 será que ele estava lembrando do regulamento naquela hora, rs?
Fiquem na paz, tudo de bom para vcs!

Ingryd Lamas disse...

É impressionante como o Rubens é azarado. Qualquer um podia bater, parar em um canto qualquer, sair com calma e recolocar o volante em seu devido lugar. Rubens não, bate em um lugar estreitíssimo, fica "de cara pro perigo", o carro solta fumaça, ele sai correndo, e logicamente, joga o volante pra qlqr lugar preocupado unica e exclusivamente em se safar dessa sinuca. Volante esse que se tivesse sido jogado por qlqr outro piloto, cairia pra fora do guardrail, ou em qlqr ponto "excluído" da pista. Mas era o volante de Rubens, e "entrou" debaixo do carro de Karun, foi sugado, e pegou uma carona de alguns metros. É... Rubens.

Brincadeiras a parte, eu, fã incorrigível e sofrida de Barrichello, concordo que não tinha alternativa alguma para a situação. Sair do carro o mais rápido possível era a melhor e unica solução. E ponto.