terça-feira, 7 de dezembro de 2010

EXAGERO

O fato de Mark Webber ter passado ao largo da fratura de ombro que sofreu numa queda de bicicleta, tendo apenas a citado de passagem em seu livro de memórias da temporada (cujo final desejado certamente era outro) mostra que o fato foi, realmente, irrelevante. É claro que num período magro de notícias, a imprensa em geral vai assoprar o fato como se fosse um balão. Mas o conteúdo é vazio. Explico.

Em primeiro lugar, as pessoas se esquecem que Mark Webber iniciou o Mundial de 2009 com vários pinos na perna e fraturas sérias ainda em fase final de recuperação. Ele caminhava com dificuldades e entrar no carro era um processo complicado e visivelmente doloroso - eu vi isso nas primeiras corridas daquela temporada. Mesmo assim, o piloto fez um trabalho decente e subiu ao pódio já na terceira corrida. Aquilo sim, amigos, é correr com dores.

Depois: uma fratura de ombro sem deslocamento - aliás, Webber viajou na maionese quando disse que foi uma “fratura de esquiador”, esta é conhecida no mundo todo como uma fratura nos ossos do polegar - exige sim um período de imobilização de uma a quatro semanas, sendo que o cálculo sempre vai para menos quando se trata de um atleta no auge de sua forma. Se o australiano correu no Japão com dores, teve tempo de sobra para se recuperar (integralmente ou quase) já para a prova da Coreia, que ocorreu duas semanas depois.

Adicionando um detalhe importante: na coletiva de imprensa escrita após o GP do Japão, o protocolo foi quebrado para que Webber falasse antes do vencedor pois ele “tinha de sair correndo para pegar um avião para a Austrália”. Certamente ele tinha algum compromisso médico em seu país (que foi onde ocorreu o acidente e foi diagnosticado o dano) para iniciar o tratamento o mais rápido possível. Portanto deixem de lado a imagem de que ele estava na pior nas três últimas etapas do ano.

(E só abrindo parênteses sobre um piloto de F-1 correr sem estar nas condições ideais: me lembro do GP do Canadá de 2008, quando Rubens Barrichello sofreu uma infecção que o deixou com febre alta e visivelmente baleado. Mesmo assim, pegou a carroça que era o Honda RA108, passou para o Q3 e terminou a corrida em sétimo. Para mim, pelo contexto, um de seus desempenhos mais impressionantes na categoria)

Mas o ponto fundamental para ver como as reações estão sendo exageradas está no seu próprio desempenho na pista. No Japão, onde a fratura atrapalhava mais, ele ficou a apenas 68 milésimos do tempo de Vettel no grid! Na Coreia, perdeu a batalha por 74 milésimos e, no Brasil, por 118 milésimos. Sempre diferenças marginais entre a dupla da Red Bull, repetindo o padrão que vimos ao longo da temporada. Está claro que o efeito da fratura no seu desempenho foi zero.

Volto aqui à abertura do texto: o ocorrido com Mark Webber foi absolutamente irrelevante. A única discussão que cabe é se ele deveria ter avisado ou não ao time sobre o ocorrido. Seria elegante e profissional, mas não podemos deixar de lado o clima de extrema competição interna que existiu na Red Bull Racing ao longo do ano. Talvez ele não quisesse dar munição para o inimigo. Talvez ele realmente não desse importância para algo que não influenciava seu desempenho na pista, perante ao cronômetro. Eu também teria ficado na minha e me concentrado no trabalho.

(Foto Red Bull Racing)

13 comentários:

Leo disse...

Acho que neste natal o Vettel vai dar uma bicicleta de presente para ele.

Mike Vlcek disse...

Perfeito, Ico.

Eduardo Cruz disse...

Mais uma vez, perfeito, abordando o tema de forma mais completa e falando o que os outros não falaram. Isso é jornalismo. Informar, sem inventar ou conjeturar.
Parabéns, Ico.

Bruno disse...

Levando em conta que o pai do Ico é médico, a análise disso fica ainda melhor embasada.
Parabéns!

Marcos Antônio disse...

foi algo sem importancia mas alardeado como se fosse uma desculpa pro Webber ter ganho o título. Mas de qualquer forma a Red Bull deveria confiscar as bikes dele...rs

Julio Cesar disse...

Olá Ico,


O grande prêmio da alemanha de 1935 é uma das corridas que considero mais fantásticas. E não descreverei aqui...apenas que foi ganha por Tazio Nuvolari. Um italiano franzino...e de estupenda habilidade, que naqueles tempos, em que não haviam 'facilitadores' de pilotagem (ao contrário) ganhou prova com costelas fraturadas (acho que muito pouca gente sabe o que é isso!)
Uma cena que me remete a essa de webber entrar no carro com pinos...é ao filme gran prix...(Studart, que mal anda).
Igualmente um Zanardi sem pernas fazendo tempos baixos.
Homens que iconificam o dizer "isso eu faço com o pé nas costas".
então...um recorte seu:


"mas não podemos deixar de lado o clima de extrema competição interna que existiu na Red Bull Racing ao longo do ano. Talvez ele não quisesse dar munição para o inimigo. Talvez ele realmente não desse importância para algo que não influenciava seu desempenho na pista, perante ao cronômetro. Eu também teria ficado na minha e me concentrado no trabalho."

... como 'ato falho' sempre ouço daqueles que dizem a RedBull ser imparcial e transparente 'escapadelas' como essa que recortei de seu texto.
Como já dito por mim aqui (e em meu humilde espaço), 'Não sei onde pode haver transparencia e imparcialidade' "onde" dinheiro manda. É ÓBVIO que cientizar o time seria um tiro no pé. Tudo isso, ao meu ver, corrobora mais ainda para despontar Mark Webber de Vettel (ah...daria meu reino-veja bem, o reino!-para ver a situação invertida...se fosse o Vettel nessa condição... Se como preferido já fez lambanças demais para alquem que leva o titulo de 'campeão'. A objetiva 'apatia' de webber, principalmente na ultima prova é mais do que claro que algum 'Dom Corleone' pediu carinhosamente a ficar na dele (e não to nem aí para os que acham isso paranóico demais) fatos são fatos...estão aí, e como disse nietzsche :"Nietzsche combate a exaltação dos fatos históricos como fonte de equilíbrio do homem. Os fatos, para ele, são sempre teorias, não representando o real em si. Por serem teorias necessitam sempre de intérpretes."

Acreditar que Vettel é 'Ô' campeão superior a Webber é o mesmo que crer que o trabalho de 'pacificação' no Rio é um trabalho preocupado com a segurança e bem estar do povo carioca..e mais, que irá perdurar.
Voltei de Belem-PA esta semana e lá conheci mais um pouco da história não contada com afinco nos colégios, quanto a nossa colonização... esse nepotismo que 'parece' ser tão combatido na politica de hoje estar no DNA de nossa história nos tempos do marques de Pombal.
há os que querem ver para crer
há os que creem no que veem
há os que veem mas não enxergam
há os que se recusam a enxergar
há os que veem e não creem
há os que em nada creem

e...

há os que querem enxergar e não apenas ver.

Celso AM disse...

Ico, finalmente leio algo sensato sobre este caso.. concordo completamente.

Abraço!

Thiago Wilvert disse...

Webber é praticamente Chuck Norris...hahahaha...texto perfeito, Ico!

Abraço!

Luke Domski disse...

Para mim, essa história é para justificar a perda de desempenho frente a Vettel no fim da temporada. Tudo balela do australiano.
"Ahh, perdi porque estava com dores..."

Pulga_Catalyst disse...

Onde posso comprar esse livro ?
Que tal fazer um post com recomendações de livros sobre os bastidores da F1 ?

Anônimo disse...

Parabéns pela lucidez,precisão e imparcialidade na análise do episódio. Coisa rara, mesmo!

Uma pergunta: por que há tanto superficialismo na cobertura da F-1... falta vontade e condições de apurar melhor, eles não convivem com o 'circo' como vc, ou, é comodismo mesmo.... (desculpe, estou sem ponto de interrogação no teclado)

Abraço e obrigado.
Mauricio H.

Ico (Luis Fernando Ramos) disse...

Pulga, não sei se entregam no Brasil, mas o site do Webber aponta esse link para compra: http://www.panmacmillan.com.au/display_title.asp?ISBN=9781405040037&Author=Webber,%20Mark%20with%20Sykes,%20Stuart

Abs

Ico (Luis Fernando Ramos) disse...

Mauricio, concordo q a cobertura da F1 é superficial em muitos espaços - e isso em qualquer país. Acho tb que boa parte do público q quer consumir informações sobre a categoria tb prefere recebê-la assim, mais mastigada. Não vamos esquecer q muita gente nem gostaria de se aprofundar num universo complexo e cheio de variáveis como esse, elas preferem torcer e ler q piloto A é um Deus e piloto B é um fracasso. Se não tiver um ponto final depois disso, elas ficam angustiadas.

Mas os que gostam de ver informações mais completas e aprofundadas têm tb muitas opções na Internet e em outras mídias - e isso é muito bom. Fico feliz q vc encontrou o q quer aqui, sempre foi minha preocupação ir além de um simples "jornachismo", mas sei tb q não sou dono da verdade e muitas das minhas opiniões são, afinal, apenas minhas opiniões.

Voltando à sua pergunta: do pessoal q eu gosto de ler, quase a totalidade realmente está presente em todas as corridas. Isso é sempre fundamental para ter uma visão mais ampla e correta dum ambiente q é cheio de segredos e filtros para se chegar à informação. Mas tem gente valente q faz isso mesmo de fora. A Julianne, o Mike e o Paulo, q escreveram aqui recentemente, são bons exemplos disso.

Abs!