domingo, 22 de julho de 2007

GP DA EUROPA – CORRIDA

Antes de mais nada, desculpem pela demora na atualização do blog com informações sobre a corrida. Infelizmente, os domingos de GP terão de ser assim, que logo após a prova estarei sempre ocupadíssimo com o fechamento da matéria para a revista Racing e de vez em quando, como hoje, com a coluna para o GP Total.

Uma curiosidade, apenas: quando Fernando Alonso cruzou a linha de chegada em primeiro lugar, a corrida tinha a duração de 2 horas e 6 minutos. Confesso que fiquei em dúvida, na parte final, se a prova terminaria ao final de 2 horas. Lendo o regulamento da FIA agora, ficou claro que, embora a duração máxima seja mesmo em 2 horas, em caso de interrupção, o tempo parado é adicionado a este limite de 120 minutos.

Minhas opiniões sobre a prova você confere em breve no gloriosoGepeto”. Aqui, farei uma lista com notas para os pilotos, com pequenos comentários.

FERNANDO ALONSO – 9 – Como ele conseguiu se classificar em segundo no grid após errar feio em sua volta rápida ainda é um enigma para mim. Sem o erro, faria a pole com cerca de meio segundo de vantagem. Na corrida, Alonso foi correto durante o período seco e mostrou porque é bicampeão do mundo no final, quando foi para cima de Massa e não se intimidou com as defesas do brasileiro. Mas, não sei se malandro ou precipitado, pisou na bola ao acusar o brasileiro diante das câmeras de todo o planeta (não na ante-sala do pódio, mas assim que desceu do carro). Certamente, não contava com a reação intempestiva deste.

Confira uma transcrição do bate-boca entre os dois no sempre excelente Blog do Capelli.

FELIPE MASSA – 8 – Apagado o fim-de-semana todo, transformou-se no domingo. Fez uma ótima largada, conseguiu se manter na pista na hora do caos e vinha para uma vitória tranqüila em condições secas. Mas a chuva caiu e, mesmo que os pneus que colocou eram péssimos, a impressão de que não é um bom piloto na chuva vai se reforçando. Precisa melhorar neste quesito.

MARK WEBBER – 8 – Bem na classificação, corrida sem erros. teve problemas com a chuva no final, quando Wurz era bem mais rápido. Mas conseguiu segurá-lo. Boa prova e pódio merecido para o australiano.

ALEXANDER WURZ – 8 – Atrás de Nico Rosberg de novo nos treinos, mas desta vez foi por insignificantes 18 milésimos. Mais uma vez, foi muito bem numa prova confusa e por muito pouco não subiu ao pódio.

DAVID COULTHARD – 7 – Largou atrás, saiu da pista na confusa primeira volta, mas foi grandioso nas voltas seguintes. O suficiente para o catapultar para a zona de pontos, de onde não saiu mas.

NICK HEIDFELD – 3 – Está certo que um piloto deve mesmo ser combativo, mas Nick foi otimista demais nas ultrapassagens sobre Kubica e Ralf. Especialmente no primeiro caso, quando comprometeu completamente o desempenho da equipe com sua manobra. Para coroar, batizou o filho nascido no sábado de Joda (pronuncia-se Ioda). Ou ele é muito de Guerra nas Estrelas, ou tem um péssimo gosto mesmo...

ROBERT KUBICA – 6 – Boa largada, mas teve a corrida comprometida pela batida com Heidfeld no início. E perdeu a sexta posição na última volta.

HEIKKI KOVALAINEN – 7 – Em relação ao companheiro de equipe, foi excelente. Mas as decisões de estratégia da equipe foram ruins e ele poderia ter terminado mais à frente.

LEWIS HAMILTON – 8 – não leva nota máxima pelos erros de estratégia. No mais, Hamilton demonstrou mais uma vez que é mesmo de uma estirpe especial. Bateu forte no sábado e teve de correr com fortes dores e um carro reconstruído às pressas. Ainda assim, teve presença de espírito ao manter o motor funcionando quando escapou da curva 1 e pôde voltar a disputa. E uma de suas ultrapassagens sobre Fisichella foi sensacional, mesmo levando em conta a diferença entre os equipamentos.

GIANCARLO FISICHELLA – 1 – Levou um banho de Kovalainen o tempo inteiro, além de ter feito a alegria de Lewis Hamilton diversas vezes durante a prova. Em resumo: um ótimo fim-de-semana para Nelsinho Piquet.

RUBENS BARRICHELLO – 5 – Ao contrário de Button, escapou da primeira degola no sábado. Mas deu azar ao ser acertado por Rosberg no início da prova. E ficou com o carro, que é ruim normalmente, avariado.

ANTHONY DAVIDSON – 4 – Lutador. E .


JARNO TRULLI – 1 –
Novamente entre os dez da classificação, mas foi mal a corrida toda, tomando decisões erradas o tempo inteiro.

KIMI RÄIKKÖNEN – 4 – Ótima pole-position, rodou de forma infantil quando entrava nos boxes ao final da primeira voltaera o líder, podia muito bem entrar bem mais devagar que não teria problema. Andou forte depois, até o carro começar a dar problema.

TAKUMA SATO – 3 – Pior que Davidson na classificação, discreto na corrida, abandonou com problema hidráulico.

RALF SCHUMACHER – 5 – Atrás de Trulli de novo na classificação, mas por muito pouco desta vez. Está melhorando.

MARKUS WINKELHOCK – 7 – Com quase nenhum contato com o carro ao longo do ano, apanhou dele o fim-de-semana inteiro. Mas a equipe foi esperta na estratégia e ele foi excelente na pilotagem, assumindo de forma improvável a liderança logo na segunda passagem. Um feito histórico que merece uma nota boa.

JENSON BUTTON – 5 – Ficou na primeira degola na classificação, lamentável. Em compensação, foi o melhor piloto nas caóticas primeiras voltas e estava na cola de Alonso e Massa quando aquaplanou e bateu.

ADRIAN SUTIL – 4 – deu um banho no novato Winkelhock em todas as sessões cronometradas, o que era seu principal objetivo no fim-de-semana. Na corrida, ficou na brita junto de meio mundo.

NICO ROSBERG – 3 – Perdeu um lugar na parte final da classificação por um piscar de olhos, mas começou a corrida afobado demais, batendo na traseira do carro de Barrichello. Depois, rodou na curva 1.

SCOTT SPEED – 1 – Lento o fim-de-semana todo, foi uma das vítimas de aquaplanagem e saiu de cena logo cedo. Não fez a menor falta.

VITANTONIO LIUZZI – 0 – Conseguiu a proeza de ser pior que o companheiro Speed na classificação e foi um dos que rodou na curva 1 no início da provacom uma gritante diferença: estava saindo dos boxes, portanto em velocidade menor que a dos que vinham rasgando pela reta.

6 comentários:

Herik disse...

Não entendi a nota baixa do Raikkonen. Cometeu apenas um erro - o da entrada dos boxes - e, mesmo assim, foi muito rápido durante todo o tempo que esteve na corrida, ainda que como carro já apresentando problemas.
Penso que se o finlandês não tivesse sofrido a quebra no seu carro brigaria pela vitória, mesmo com o aquele erro do início da prova. É a minha opinião.
Grande abraço.

Capelli disse...

Ico, a rodada do Liuzzi foi muito bizarra mesmo. Não só por ter sido logo após sair dos boxes, mas também por ter sido atrás do Safety Car.

Se o mercedinho estivesse um pouquinho mais lento, o italiano batia nele.

Rafael disse...

O piloto do SC foi esperto..

Ele tava lento ali no final da reta esperando o lídr chegar, quando ele viu o Liuzzi chegando meio de lado, ele acelerou e ficou do outro lado da curva hhehe

Acredito que se o Raikkonen não tivesse problema seria no mínimo 2º na corrida..
A frente do Massa ele chegaria, pode ter certeza.

Pezzolo disse...

heheh essa coluna parece o pitacos do meu blog, só que um pouco mais extendida. parabéns pelo blog, muito bom.

Blog F1 Grand Prix disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Felipe Maciel disse...

Agora que o Alonso chegou no Hamilton, a briga entre eles deve ficar ainda melhor.

O Massa respirou depois da ameaça do Raikkonen em se tornar primeiro piloto. se o finlandês estivesse 7 pontos na frente do companheiro, e não o inverso, eu sinceramente não sabera dizer se a equipe seria indiferente a isso. Será que a Ferrari termina o campeonato sem escolher o primeiro piloto?