domingo, 7 de outubro de 2007

PARA O ALTO... E AVANTE!

No último domingo, no Japão, Sebastian Vettel jogou fora o que parecia a grande chance da sua vida naquele acidente controverso com Mark Webber, atrás do Safety Car – um tema que rendeu muito assunto. Depois de chorar nos boxes, depois de pleitear junto com outros 20 pilotos uma punição para Hamilton pelo incidente, depois de perder cinco posições no grid da China por atrapalhar outro piloto (uma alegação que ele não concordou), o piloto com cara de bebê fez hoje uma corrida de gente grande em Xangai e conquistou um mais que improvável quarto lugar, deixando todo mundo para trás, menos as inalcançáveis Ferraris e McLarens (teve uma que atolou na brita, discutimos isto abaixo, mas ainda é legal lembrar).

O calvário vivido por Vettel nestas duas corridas (do céu para o inferno, de para o céu de novo) tirou as dúvidas que ainda pairavam sobre seu potencial – e eu confesso que eu tinha as minhas. Estamos mesmo diante de um talento muito especial, com um futuro de muito sucesso pela frente.

Aliás, quando pensamos em nomes promissores da temporada 2007, esbarramos inevitavelmente nos de Vettel, Nico Rosberg e Adrian Sutil. Tratar este fenônemo como um meroefeito Schumacher” é um erro que vejo reproduzido em muitos lugares. A verdade é que a Alemanha é alguns anos o melhor centro de formação de novos valores, com uma estrutura invejável e eficiente. Os meninos saem dos fortes campeonatos de kart locais e vão para uma forte Fórmula BMW e, depois, para a fortíssima F-3 Euroseries, quetempos desbancou a F-3 Britânica como o melhor campeonato do mundo nesta classenão é à toa que Hamilton passou dois anos aprendendo e não na sua ilha natal.

Enquanto isso, no Brasil, as categorias de base de monopostos estão extintas. E os pilotos saem do kart direto para a Stock Júnior. Se os responsáveis não agirem rápido, a fonte vai secar. Para sempre...

5 comentários:

Caíque. disse...

O que é mais fenomenal, Vencer uma corrida com uma McLaren ou chegar nun 4º Lugar com uma Toro Rosso? e já era para ter chegado no Japão, não fosse alguns Break Tests...e o pior é que isso é Verdade.

Herik disse...

Ico,
Além dos que vc citou, a verdade é que tem muita gente boa e jovem na F1 que não recebe a atenção e equipamento a altura.
Raikkonen já provou que é um acima da média. Fato é que chegou numa Ferrari se reorganizando, sentou num carro completamente novo para ele e muito depois de Massa e, mesmo assim, é o maior vencedor do ano até agora.
Button, que ainda é muito jovem, padece por causa de uma série de escolhas erradas. É o tal cara do "lugar errado na hora errada".
Kovalainen está aposentando definitivamente o Fisichella.
E ainda vem o Piquet por aí. Se ele se achar rapidamente em sua equipe - seja ela qual for - será um grande também. Basta ver que na GP2 ele foi um adversário duríssimo para Hamilton, mesmo numa equipe mais fraca.

João Carlos Viana disse...

As categorias de base brasileiras realmente estão acabando. O futuro brasileiro na F1 a médio prazo é sombrio.

Lucas Carioli disse...

Realmente o piloto ainda faz a diferença, principalmente em condições chuvosas como essa.

No Japão comentei que Vettel podia ser o novo "pato" da F1. Com a nova chuva em Shangai, isso se confirmou. Vettel tem um grande controle do carro e a água na pista evidencia isso.

Claro que isso não basta para torná-lo campeão no futuro. Mas pelo menos, "bom de braço" ele é sim.

Paulo Coruja disse...

assino embaixo...
o pior é que se continuar assim, vamos ter "enes" classes e subclasses de stock disputando um campeonato puramente midiático... uma pena...