segunda-feira, 15 de outubro de 2007

WITH THE KNIFE AND THE CHEESE IN HIS HANDS

A expressão acima não existe na língua inglesa, mas serve perfeitamente para descrever a situação atual de Lewis Hamilton. Numa análise pré-atividades na pista, tudo indica que o inglês não terá muitas dificuldades para garantir o título no domingo. Para isso, basta que ele chegue em segundo lugar, independente da colocação dos seus rivais nesta disputa.

É quase um consenso que Interlagos possui características mais favoráveis ao MP4-22 do que ao F2007. Se a previsão se confirmar, é provável que seus pilotos ocupem a primeira fila com certa folga e que, em ritmo de corrida, a Ferrari diminua esta diferença, mas ainda assim seja mais lenta. Assim, Hamilton pode correr sem se preocupar com uma vitória de Alonso, mas apenas fazer o básico para assegurar que cruze a linha de chegada antes das Ferrari. A confiabilidade de seu carro – nenhuma quebra até agora – só depõe a seu favor.

E, mesmo numa eventual briga direta com Alonso, o inglês tem uma ligeira vantagem: seu motor no Brasil será novo, o do espanhol é o mesmo utilizado no GP da China. Pelas características daquela prova (pista molhada a maior parte do tempo, temperaturas não muito altas), a unidade foi pouco exigida. Mas ainda assim possui uma quilometragem maior e corre, portanto, um risco maior na decisão. Outro cenário bom para o estreante: nas corridas deste ano sem chuva ou Safety-Car, os pilotos da McLaren chegaram em posições subseqüentes em todas as ocasiões, menos no GP do Bahrein, quando Hamilton foi segundo e, Alonso, quinto.

Esta normalidade pode ser obviamente quebrada pela presença da chuva. Mas a previsão do tempo também parece jogar a favor do inglês: pode ser que chova um pouco na sexta-feira, mas as informações atuais dos meteorologistas indicam um fim-de-semana de sol em São Paulo. Mesmo sem jamais ter corrido no circuito, Hamilton teria o treino livre de sábado de manhã para acertar seu carro para a pista seca (se realmente chover na sexta) e garantir uma posição no grid à frente da dupla ferrarista.

Como afirmei lá em cima, esta é uma previsão feita antes de os carros irem para a pista. Portanto, ainda muito supositiva. Mas que nos permite antever um cenário delicioso. Nas quatro últimas corridas disputadas em circuitos que Hamilton desconhecia completamente (Montreal, Indianápolis, Fuji e Xangai), ele marcou a pole-position. Se isto se repetir em Interlagos, Alonso teria de partir para um tudo ou nada na hora da largada, sob o risco de não ter mais nenhuma chance de ultrapassar o inglês durante a corrida.

Seria um momento de grande emoção para esta decisão do campeonato. E, quem sabe, com um finlandês rindo por último.

2 comentários:

Anônimo disse...

Ico, você se lembra dos raios caírem em cima das Maclarens, dito pelo Capelli? Pois é. Um já caiu na China. Quem sabe não cai outros em cima deles?
Mesmo o Hamilton sendo merecedor, o campeaonato ficou sem graça, pois foi manchado pelo caso de espionagem. E um suposto raio (no bom sentido é claro) caindo em cima das equipes de ponta poderia nos trazer um final mais alegre e diferente.

Abraço.

Paulo Henrique/RJ

Superwerke disse...

"Supositiva", neologismo divertido.