sexta-feira, 8 de agosto de 2008

FOTO DO DIA – GP DA EUROPA DE 1985

No fundo, faz uma falta danada um piloto como Nigel Mansell na Fórmula 1 atual. O sujeito dava um colorido todo especial à categoria: rápido como a peste, trapalhão dentro e fora das pistas e com um divertido complexo de perseguição. Um perfil que lhe rendeu fãs incondicionais também do outro lado do planeta, como seu chefe na Fórmula Indy, o ator Paul Newman.

“Vê-lo dirigindo era incrível. Eu sinto em relação a ele o que alguns atores sentem em relação a Lawrence Olivier. Aquele ano de 1993 foi uma de nossas melhores temporadas. Nigel era uma estrela. Eu vivia dizendo que ele deveria fazer filmes também”, elogia. “Nosso primeiro teste foi em um desses circuitos ovais e ele chegou resmungando que viver nos Estados Unidos não valia a pena e que podiam demolir todos os ovais. Quinze minutos depois, ele havia baixado o recorde da pista em dois décimos. O cara era uma figura”.

Hoje, Mansell está aniversariando, comemorando 55 anos de idade. Seus dois filhos, Leo e Greg, estão correndo justamente na América, na Fórmula Atlantic, mas não parecem ter herdado do pai o mesmo talento para andar rápido. Uma pena, porque era sempre bonito de ver o leão num daqueles seus dias endiabrados. Como o da imagem acima, em Brands Hatch, quando ele venceu pela primeira vez na Fórmula 1. Clique para ampliar!

6 comentários:

marconi disse...

O Nigel era espetacular! Andava sempre acima do limite. Quando perdia o controle do carro (que era comum de se ver) era imprecionante a habilidade de não deixar o carro se "espatifar" no muro. O Ayrton é o meu grande ídolo em todos os sentidos, como ser-humano e como piloto. Mas as vezes o Mansel dava o seu show.

Tuta Santos disse...

Queridico:
As suas fotos no blog não são a oitava maravilha do mundo moderno, mas quando se clica para ampliar, elas ganham potência, parecem outras fotos!
Parabéns.

r/t disse...

Sinceramente, o Mansell é um dos pilotos da F1 que mais admiro, dentro e fora da pista, e tem gente que esquece que o cara brigou por mais de 3 titulos (86, 87 e 91) esses tres aí não ganhou por conta do acaso (não por falta de talento, já que em 86 e 87 era indiscutivelmente o mais rapido, coincidentemente foi uma "vitima" da Hungria) ganhou só em 92, mas sempre foi um "Leão" mesmo, até com aquela Ferrari de 89 ele venceu corridas, só isso já mostra o piloto especial que ele era

Fabrizio Salina disse...

Realmente faz falta... o que mais se vê na F1 atual são pilotos insípidos.
O Massa, em seus dias inspirados, me lembra um pouco o estilo do Nigel Mansel. Até alguns andaram o chamando de Nigel Massa por aí!
Se teve um piloto que não tinha medo de ultrapassar(igual o de Senna) foi o Leão.

Ajzas disse...

É verdade, o Mankel, digo, Mansel, faz muita falta. É impossível ver fotos das Williams daquela época sem lembrar do Inglês trapalhão. Quando 'baixava o santo' nele o cara ficava doido dentro da pista e limite era uma coisa que ele não conhecia em F1. Mansel abusava nos traçados em busca de ultrapassagens ignorando completamente as tomadas de curvas e pontos de tangência. Ele conseguia (não sei como) manter o carro na pista em suas arremetidas endiabradas. O cara era realmente muito arrojado e acima de tudo, engraçado. Mas, o Nelsão Piquet faz questão de afirmar com o maior prazer, que sempre foi mais rápido que o Inglês, um dos seus maiores adversários. E que adversário!

Ffigueiredo disse...

Senhores,

Uma das mais divertidas frases da F1, foi o Nelsão quem disse.
Um repórter inglês o perguntou quais as suas principais diferenças para o Nigel Mansell. E o Nelsão soltou essa pérola:

" Primeiro, Eu gosto de mulher bonita, Ele de Mulher feia...Eu ganhei três títulos mundiais, Ele perdeu 3". RSRSRSRs....só o Piquetzão mesmo pra soltar essas pérolas.

Ffigueiredo