quarta-feira, 24 de setembro de 2008

DUAS CIDADES

São apenas quatro estações de metrô separando $ingapura de Cingapura. A cidade com cifrão é o distrito financeiro e comercial, onde foi montado o circuito da Fórmula 1. Um amontoado impressionante de prédios suntuosos, em meio a grandes bulevares e diversos Shopping Centers. A vida pulsa com intensidade nos corredores de mármore apinhados de gente. Gente bonita e bem vestida, que faz as suas compras ou busca um bom restaurante para relaxar depois do expediente num dos enclaves comerciais mais importantes da Ásia.

Não muito longe dali, a Cidade com C maiúsculo fervilha com intensidade ainda maior. As ruas são mais estreitas e a multidão se amontoa por todos os cantos, especialmente nas singelas mesinhas de metal que tomam as calçadas. É um mosaico interessante dos povos asiáticos, uma convivência marcada por dificuldades numa cidade essencialmente cara que une indianos, chineses, malaios e mais uma porção de etnias que eu não consegui identificar. O comércio ali é mais diversificado: há os que vendem cigarros trazidos ilegalmente para o país, pululam lojinhas que vendem artigos de todos os tipos – todos muito baratos e de qualidade duvidosa -, balcões que vendem celulares e apetrechos para estes (e todos aqui têm um e caminham pelas ruas falando nele) e muitos, mas muitos restaurantes. De todo este quadro, o que mais impressiona é o cheiro, uma mistura de odores fortíssima: muito de Shoyu cozido, muito do muito lixo a céu aberto.

Esta Cingapura não vai aparecer na tevê durante as transmissões da Fórmula 1. Mas é aquela que eu lembrarei quando voltar daqui. Pela primeira vez, encontrei a Ásia como eu havia imaginado. Uma Ásia que, apesar de tudo, tem um fascínio irresistível.

6 comentários:

F-1 A.L.C. disse...

pois é, apesar de ser um Gp em Singapura, não parece que vaia a ter um ar muito asiático. a cidade-estado é muito globalizada para representar o espíritu oriental a cabalidade.

esperemos ver se pelo menos os garis dão alguma exrtavagancia que possa nos lembrar que a corrida é por esses lados.

Ajzas disse...

Há 25/30 anos atrás Cingapura não passava de um lugarzinho bucólico e esquecido na Ásia. Hoje, tem uma das maiores rendas per capita do planeta, uma das melhores qualidades de vida e de ensino (obrigatorio) e agora se inclui no sofisticado calendario da F1 com prova noturna inédita. Eles não têm petróleo e nem sonham em ter as riquezas que temos. Mas, trabalham muito, fazem todo o tipo de negocios, ganham e gastam o tempo todo. Talvez até por isso a corrida tenha de ser a noite. Enquanto isso, nós que 'já somos ricos', lutamos cada vez mais por cargas menores de trabalho, novos feriados, carnaval dentro e fora de época, futebol full time, sombra e água fresca...

Anônimo disse...

Ico, a corrida vai começar a noite ou no final de tarde??

Pelo horário do treino 2 horas mais tarde q a corrida, estou sem entender.....

Fábio Andrade disse...

"Tão parecido com o Brasil", é a 1ª coisa que me vem à cabeça.

E fico pensando nos gringos assistindo o GP nosso de cada ano. Interlagos, seus carros valiosíssimos, toda a suntuosidade de um grande prêmio de F1 e o contraste com aquelas casinhas humildes que aparecem na subida do boxes...



Mas ninguém deve dar atenção a isso mesmo.

Celso Vedovato disse...

Ico essa Ásia ainda conserva algo daquilo que Tiziano Terzani buscava e temia estar acabando em O Adivinho Me Disse - voce já leu?. Aliás esse maravilhoso livro daria um excelente filme. Creio que Cingapura conserva pouco daquilo.

Smirkoff disse...

Ico, pra você que coleciona miniaturas, sei que Cingapura tem lojas muito boas. Acho que por aí e na China deve se achar coisas ótimas por preço muito bom, já que quase todos fabricantes europeus ou americanos têm seus produtos feitos nessa região.