domingo, 14 de setembro de 2008

INEVITÁVEIS COMPARAÇÕES

- Foi como um evento desse porte costuma ser: extraordinário de um lado, mas muito claro e natural. Havia muito caos, em termos de ultrapassagens e estratégias ideais, mas isto não o incomodou nem um pouco. Ele ficou lá na frente, fazendo suas voltas com perfeição. Foi bonito de se ver.

O elogio acima vem do dono da maioria absoluta dos recordes da Fórmula 1, o alemão Michael Schumacher. E é endereçado para um compatriota seu que, neste final de semana, quebrou duas marcas que o heptacampeão nunca teve. No sábado, Sebastian Vettel se tornou o mais jovem piloto a obter uma pole position na categoria. Ontem, passou a ser o mais novo a vencer uma corrida.

Foi também a primeira vitória da Toro Rosso, equipe surgida em 2006 em cima do espólio da Minardi, o famoso time italiano que sempre costumava chegar em último lugar. A fábrica em Faenza foi assumida, a direção entregue aos austríacos Gerhard Berger e Franz Tost e o know-how técnico dividido com a equipe Red Bull. E ex-Minardi, pequena no tamanho, deu uma de Davi em Monza e derrubou as gigantes da Fórmula 1 num confronto direto. Em condições difíceis pela pista molhada, é verdade. Mas pela própria competência, sem contar com nenhum elemento de sorte.

- Não há uma maneira mais bonita de vencer do que esta aqui: sem qualquer tipo de incidente, uma vitória baseada puramente nas performances de piloto e equipe. Nesta corrida, Vettel mostrou como é excepcional. Quanto pior as condições, mais rápido ele virava, às vezes um segundo mais rápido que todo o resto – analisou o tímido Tost, um poço de calma em meio a uma barulhenta festa promovida pelos mecânicos italianos.

Estes também receberam uma homenagem especial do vencedor durante a cerimônia no pódio. Depois do hino alemão para Vettel, foi tocado o hino italiano para a Toro Rosso. E o piloto regeu a festa da equipe nas estrofes finais. Como costumava fazer Schumacher nos triunfos da Ferrari. E as coincidências não param por aí. Vettel dedicou a vitória a Gerhard Noack, seu preparador nos tempos do kart. O mesmo homem que deu o impulso inicial na carreira do heptacampeão – e no mesmo kartódromo de Kerpen. Rápido na pista, Vettel também é veloz para brecar as comparações.

- Vocês têm que entender o que este cara alcançou na sua carreira. Comparar qualquer um de nós com Schumacher é ridículo – encerrou o piloto. Claro que é, mas por conta de todas as coincidências citadas acima, é impossível não fazê-lo. Se ele será tão bem sucedido como seu ídolo, só o tempo dirá. Mas hoj, eem Monza, Sebastian Vettel deixou de lado o apelido de “Baby Schumi” e inscreveu seu nome na história.

8 comentários:

Luiz G disse...

Para quem diz que Hamilton é Gênio, me arrisco a afirmar que é fácil ser gênio estreando na McLaren...Mas um cara ganhar na Toro Rosso, com 14 segundos de vantagem para uma McLaren, em seu segundo ano de carreira...aí temos algo para considerar genial.

paulo henrique disse...

Ico, Você não acha que o Hamilton depois da polêmica do Gp da Belgica, obteve uma, digamos, "licença para matar" no Gp da Itália, sebendo que ante mão de devido a toda celeuma da semana passada dificilmente seria punido por qualquer coisa...daí a forma agreciva a abusiva com que o britanico guiou na Itália

marconi disse...

Emocionante! Venceu como "gente grande"! Fiquei feliz pelo Berger e pela STR. Poderia ter sido melhor se o Bourdais tivesse largado, sou fã dele desde os tempos de F3000. Mas valeu a pena ver o fenômeno Vettel no lugar mais alto do pódium.

Marcos "Guto" Souza disse...

Olha, eu ia comentar exatamente o que o Marconi disse aqui em cima. Inclusive do Berger e do Bourdais... Exatamente tudo igual! Parece até brincadeira.....

Mas eu só vou trocar a palavra do começo: Foi incrível! Inacreditável!

Diego Camargo - Floripa/SC disse...

Tenho que ser sincero, que mesmo sabendo que ele pode ser um futuro campeão, não sabia como ele iria se comportar na corrida. Achei que ia ser aquela coisa de tanque vazio e ver se belisca um pódio. Que nada! Pilotou que nem gente grande e com um carro que se comportou como carro de primeiro time. vai ser bonito em um futuro próximo ver Hamilton e Vettel duelando nas pistas. Que corrida fez o Hamilton também, agressivo ao extremo, bem do jeito de quem quer ser campeão a qualquer custo.

Uma nota trsite Ico, já sei que voce gosta de um bom Rock. Morreu aos 65 anos Richard Wright, do Pink Floyd. A música perde uma grande pessoa. o Gilmour colocou uma nota sobre o amigo no site dele. http://www.davidgilmour.com/ .

Abraço

Ico (Luis Fernando Ramos) disse...

PH, sobre o Hamilton: as manobras dele sobre Glock e Webber foram duras, mas nada que já nao vimos na pista antes. O problema ali nao é com os comissários, mas com os outros pilotos. Pode apostar que da próxima vez o pessoal vai engrossar bem pro lado dele.


Diego, falou tudo sobre o Rick: a música perdeu uma grande pessoa mesmo... :-(

Thiago Raposo disse...

Pois é Ico...
A comparação com o Schummi vem desde aquele treino de Sexta-Feira, o primeiro do Vettel na F1, que ele fez o melhor tempo com a BMW!
Espero mesmo que ele faça o mesmo e até melhor que o Michael, pois como dizem, recordes são para ser quebrados!
Ico, também tenho um blog, o 'Café com F1' (www.cafecomf1.com)...será que poderíamos trocar referências? Vc colocando ele na sua lista de blogs aqui e eu o seu lá?
Abraços!

Fredy Pietz disse...

Outra coincidência é que os dois largaram em sétimo em suas estréias na fórmula 1.

Abraço.