segunda-feira, 15 de setembro de 2008

TV BLOGO – ADEUS, RICK!


Acabo de chegar em casa e vi agora o comentário do Diego no post abaixo sobre a morte de Richard Wright, o tecladista do Pink Floyd. Uma espécie de gênio “escondido” da banda, Rick é o compositor de simplesmente uma das músicas mais lindas já escritas, “The Great Gig in the Sky”, que durante vários anos da minha vida, coloquei para tocar no meu aniversário na hora em que nasci. Hoje, ele vai tocá-la lá em cima, dando o verdadeiro sentido para o título da canção.

9 comentários:

Marcus Freitas disse...

Excelente lembrança Ico !

Um dos gênios do Floyd...Us&Them, Summer 68, Time, Echoes...

infelizmente a geração músicos excepcionais está "dobrando o cabo da boa esperança"...vai ser uma leva terrível...imagine o mundo sem BBKing, Keith Richards, Pete Townshend, Clapton, Gilmour, McCartney...graças a Deus o legado deles é eterno. E essas bandinhas Emo vagabundas não.

Shine on you Crazy Richard ! R.I.P.

Marcus

Ricardo Botto disse...

Ico,

Muito bom teu blog parabéns. Caramba cara você é muito mais novo do que eu, e se o Pink Floyd teve tamanha influência para você imagine para mim. Curti Pink Floyd, Led Zeppelin. Vi Ronnie Peterson, contornando a 1 e 2 em Interlagos de uma maneira que jamais vou esquecer. Jean Pierre Jarrier fazendo-as de pé cravado. Talvez estejamos ficando velhos e saudosistas, mas como não se-lo diante de um som deste? Richard Wright está morto. Viva Richard Wright!!!!!

Abraços

Ricardo Botto

José A. Matelli disse...

Triste dia, grande perda.

Carlos disse...

Dia muito triste Ico. Hoje ao chegar a casa, aos 31 anos de idade, apercebi-me que jamais verei a minha banda preferida de sempre, dos tempos já da barriga da minha mãe, ao vivo.

Citando um trecho cantado por ele na canção Time:

"The time is gone, the song is over, thought I'd something more to say..."

Obrigado por tudo Rick.

Mauricio Neves disse...

Echoes.Wright pra mim é Echoes, aquele vocal dolorido, no one sings me lullabies. Além de Echoes, o Wet Dream, disco solo de 1978, uma pérola cravada entre o ANimals e o The Wall. Foi-se Barret, agora Rick. Minha banda preferida vai acabar voltando é lá no céu...

Lucas Carioli disse...

Soube ontem a noite e acredita que isso estragou o resto do meu dia? Mesmo sem nunca tê-lo conhecido?

Esse é o grande poder da música. Ela cria uma espécie de "intimidade" com o músico que toca. E escuto Pink Floyd desde pequeno, os teclados de Rick Wright
sempre me chamaram muita atenção. The Great Gig In The Sky é simplesmente a canção mais bela e profunda de todos os tempos.

Está sendo estranho ouvir Pink Floyd agora e saber que o homem dos teclados não está mais entre nós. Só espero que esteja bem onde quer que esteja. Rest In Peace Rick!

Abraço Ico!

L-A. Pandini disse...

Essa música é maravilhosa! Aliás, todo o "Dark Side of the Moon" é maravilhoso.

Goodbye, Richard.

Raoni Frizzo disse...

Wright, o gênio quieto!

Talvez por essa característica (quieto) ele nunca tenha tido o verdadeiro reconhecimento que merecia, a ponto de ter tido a humilhação de ser demitido da banda na época do The Wall.

Foi o melhor tecladista que já vi. Como o próprio Gilmour disse ontem, o The Dark Side of the Moon não teria sido nada sem "The Great Gig in the Sky" e "Us and Them". Sem contar na participação dele no Wish You Were Here. É impossível não viajar escutando aquela introdução de Shine On You Crazy Diamond.

Sem contar Echoes, na minha opinião o maior toque de genialidade dele. Essa música nunca será a mesma sem a presença dele no palco.

Missão cumprida, Rick! Descanse em paz com Syd. E lá se vai embora mais um pedaço da minha banda favorita.

Gustavo disse...

Assim que eu soube desse triste episódio, eu coloquei no meu msn - como frase de entrada - assim: "The great gig in the sky silencia para sempre....", o que denota bem qual a música mais emblemática, para mim, do seu virtuosismo nos teclados. Aqueles acordes iniciais no piano de cauda são simplemente narcóticos, mágicos e infinitos na sua beleza e simplicidade.....Vá com Deus Rick, você foi um dos grandes, obrigado por embalar minha infância até hoje!