quinta-feira, 9 de outubro de 2008

NA BERLINDA

Quem ficou acordado madrugada adentro ou se informou de manhã ouvindo os áudios no Tazio, pôde criar um quadro claro do mercado de pilotos ao ler as notícias gerais e ouvir as entrevistas com os brasileiros. Basicamente, Rubens Barrichello e Nelsinho Piquet admitem que são apenas três equipes com vagas disponíveis: Renault, Honda e Toro Rosso. O experiente Barrichello foi além e, pela primeira vez, admitiu que ficar a pé no ano que vem é uma possibilidade (mas, “remota”, classificou).

O piloto também disse que, pelo que sabe, a equipe está negociando com Bruno Senna. E aconselhou o novato a não entrar na equipe como titular. Há, claro, um apelo de quem pode perder o emprego. Mas faz sentido a afirmação de que o jovem corre o risco de se queimar apenas pelo desejo de estar logo na F-1.

Pelo que se fala por aí, Bruno Senna jogaria suas fichas na possibilidade de testar pela Honda na primeira bateria de testes da pós-temporada, no final de novembro. Ali, buscaria mostrar que está pronto para ser titular da equipe, convencendo os que ainda não estão 100% convencidos do seu potencial, o que incluiria Ross Brawn. É o que informa a rádio paddock, os tradicionais hits não-oficiais e não confirmados. Se proceder a informação, talvez esteja explicado o silêncio da Honda a que Barrichello se referiu.

Parece também que Renault, Honda e Toro Rosso estudam os mesmos nomes – e como sabem que estes nomes estarão no mercado até o final do ano, decidiram postergar suas escolhas ao máximo. Uma atitude inteligente: os pilotos pedem menos, ou buscam trazer mais patrocínio, e isso sempre ajuda. Barrichello, Nelsinho, Di Grassi, Bruno, Sébastien Bourdais, Takuma Sato e Romain Grosjean que esperem, pois. Não coloquei Fernando Alonso e Jenson Button nesta lista porque, pelos sons que ecoam nos cantos do paddock, está decidido que estes ficam onde estão.

4 comentários:

Ron Groo disse...

Eu não sei quanto a você Ico, mas eu penso que Brunno deveria aproveitar o sobrenome famoso e aguardar por um convite de uma equipe ao menos de média para grande.
Talento ele tem e querendo ou não o "Senna" há de abrir muitas portas ainda.
Desta vez o Rubinho esta com a razão: Prudencia e paciência.

EdisPJ disse...

Como o que a gente pode fazer é dar pitaco, eu cravo que o Nelson Angelo estará na Honda no ano que vem.

O Bruno Senna ainda não tem quilometragem em F-1, seria muito prematuro e arriscado. Ele deveria passar um ano como piloto de testes, pra ver se vinga.

Já o Barrichello ou vai pra Toro Rosso, pra ser o experiente ou pra Force India, por que não? Não estão falando em pacote da McLaren, pode ser um pulo...

Já a Renault, que fique todinha pro Alonso, daí ele faz e desfaz, boicotando quem quiser, como aliás, foi a constante desse ano.

Polyanna disse...

O Rubinho é a cara da F1!
Não será a mesma sem ele!
Honda renova com Rubinho!

Luiz G disse...

O problema do Bruno senna é a idade. Ano que vem, estará com 25. Na F1 de hoje, isso já é quase um "temporão".