terça-feira, 17 de fevereiro de 2009

RÁDIO BLOGO – JAZZ E FÓRMULA 1 (PARTE 2)

Barney Wilen é um saxofonista francês nascido em Nice e que morava em Mônaco nos anos 60. Fascinado por corridas, teve a idéia de gravar os sons da corrida de Monte Carlo de 1967. Como todos presentes no Principado aquele dia, ficou tocado com o acidente fatal do piloto italiano Lorenzo Bandini.

Em 13 de fevereiro de 1968, Wilen lançou o resultado da experiência vivida. “Tragic Destiny of Lorenzo Bandini” é um expoente extremo do “Free Jazz”, onde um grupo de músicos toca de maneira aparentemente aleatória, numa espécie de destruição musical.

Estejam avisados: não é uma música fácil de ouvir. E talvez fosse esse mesmo o objetivo de Wilen. Misturando o som ambiente dos motores com sua música, ele cria um cenário perturbador como o de um piloto preso em um carro consumido pelas chamas. A faixa abaixo é o segundo dos cinco movimentos do disco, chamado “Start”.

7 comentários:

Speeder_76 disse...

De facto, não é uma musica fácil de ouvir, mas se calhar não era esse o objectivo, não era? Sei que os anos 60 eram uma era de experimentalismo no Jazz, e se calhar era essa a ideia...

Marcos Antônio Filho disse...

Poxa, Ico muito legal esse seus achados sobre Jazz e F1,muito interessante a ligação que a F1 tem com a música.Show!

Carlos Cezar disse...

Ico, na votação dos melhores dos anos 70 ficou faltando o Gilles ou você vai colocá-lo na enquete dos anos 80?

Vlw!

Ron Groo disse...

Costumo dizer que o Free Jazz é a melhor maneira de um grosso musical se achar gênio.
Não gosto muito do gênero, prefiro os Standards, ou o dixiland. Muito mais o swuinging jazz.
mas uma coisa esta faixa tem de boa, o baterista é um cavalinho, bate pesado e com uma velocidade impressionante. E olha que entendo de bateria.
Quanto a história é tocante, uma ideia boa que teve "sorte" de se desenrolar num dia triste e fatidico.
Eu já tinha ouvido falar destas gravações, mas como se tratava de free jazz não procurei ir atrás.

Raul Costa disse...

Pô Ico

um free jazz bem domado desse, não é quase aleatório!

gostei de novo.

Aun disse...

Ico,

Meu gosto musical passa reto quando o assunto é Jazz, mas que capa tem este disco! Muito bem feita!

Um abraço,

Rafael Aun

Smirkoff disse...

Bem interessante, Ico, uma boa dica pra pesquisar. Não sei se por algum "problema de fabricação", o que mais me interessa em música entre muitas coisas que escuto é justamente o dito "difícil": música contemporânea, rock in opposition, Zappa e essas coisas "esquisitas". Acho que eu gostava demais de música dos desenhos do Pernalonga quando criança, e você já escutou as trilhas sem ver os desenhos?