terça-feira, 10 de março de 2009

OS TEMPOS DA BRAWN (E OS TEMPOS DOS OUTROS)

Muita gente está admirada com a performance do BGP 001 nestes dois dias de testes em Barcelona. Quarta colocada ontem com Jenson Button e terceira hoje com Rubens Barrichello, a equipe jura que está indo para a pista com o carro em condições de corrida, ou seja: não estão de tanque vazio para aparecer bonito na folha de tempos diante de possíveis patrocinadores.

E vamos dar o benefício da dúvida aos caras, afinal essa filosofia de trabalho condiz perfeitamente com o perfil de Ross Brawn. Para mim, mais que a velocidade, o que mais impressionou no carro da Brawn foi a confiabilidade. Toda a adaptação necessária aos motores Mercedes-Benz, pelo jeito, foi bem planejada e os componentes estão funcionando corretamente.

Quanto à velocidade, não era mesmo para esperar outra coisa, por dois motivos. Em primeiro lugar, a Honda já havia percebido no início do ano passado que o RA 108 era outro abacaxi ambulante. Assim, desde meados de abril último, direcionou todos os recursos neste projeto – que se chama BGP 001, mas é no fundo o RA 109. Assim, é um carro desenvolvido em cima de um investimento pesado, feito muito antes que algum diretor lá de Tóquio resolvesse abandonar o barco.

Em segundo lugar – e isso é muito relevante – todo este regulamento técnico foi desenvolvido por um grupo de estudos liderado por... Ross Brawn! Não que isto represente alguma vantagem indevida, afinal o grupo contou com técnicos (e idéias vindas) de outras equipes do grid. Mas o engenheiro (e projetista) Brawn certamente foi criando um quadro claro de onde poderia chegar com um carro dentro do regulamento que ia sendo discutido. No dia em que o pacote foi anunciado, ele já estava bem íntimo com seu conteúdo e com um plano bem definido de qual linha seguir para o modelo 2009.

Para encerrar, a saída da Honda e o acerto feito com a Mercedes acabou resolvendo em uma paulada só um dos principais problemas da turma de Brackley, a péssima dirigibilidade dos motores feitos pelos japoneses (como Barrichello acabou admitindo no papo que tivemos ontem).

Mas uma frase de Brawn ao colega da Auto Motor und Sport faz a gente pensar. “Já sabíamos, através de simulações, que tempos esse carro seria capaz de fazer em Jerez, Bahrein e Barcelona. Quando vimos os tempos dos concorrentes, ficamos surpresos que eles não estavam andando mais rápido”.

Talvez a surpresa resida no fato de que algumas equipes estejam escondendo o jogo – principalmente a McLaren, que há duas semanas anda se arrastando no final da tabela de tempos. Há quem diga que a equipe vá aparecer com alguma novidade marcante e decisiva em termos de performance na semana que vem em Jerez ou mesmo apenas em Melbourne.

Pode ser. Se não for esse o caso, o quadro ali é preocupante. Porque a traseira do MP4-24 parece ser mais nervosa que mãe de miss. Junto isso com pneus que desgastam rapidamente para ter um carro inguiável em longas distâncias.

Do lado da Ferrari, a velocidade parece boa e a constância das voltas, também. Mas o sistema de refrigeração do Kers impediu o time hoje de simular uma corrida inteira com Raikkonen. A bateria esquentou demais. De novo.

Vamos aguardar. Mas já pensou se a Brawn GP repete o feito da Wolf em 1977 e ganha logo na sua estréia?

13 comentários:

Marcos Antônio Filho disse...

Realmente a Brawn está surpreendendo com os tempos.a Categoria de Ross Brawn também faz a diferença. Mas as equipes ainda escondem o jogo, e só em Melbourne vamos saber quem tem garrafas vazias pra vender.

Marcos "Guto" Souza disse...

Tomara, tomara, tomara! Além de já ser a equipe mais simpática do grid (normalmente é a equipe "mais pobre", se é que se pode dizer assim) o Ross Brawn têm falado desde agosto, se não me engano, que o carro de 2009 (que ainda era da Honda) que o carro era muito bom.

Tomara que os japoneses se arrependam amargamente de ter saído da F1.

E outra: O Button - aquele que pulava que nem pipoca para BAR e Williams, dependendo do desempenho de cada uma - não abandonou o barco nenhuma vez. E eu duvido que seja só pelo emprego alheio...

Vantoil Lima Jr. disse...

Ico, a McLaren não pode estar sofrendo pela falta da dados da Ferrari?

Até o ano passado, eles podiam usar dados que eles receberão durante o escandalo do ano retrasado.

Agora com regulamento totalmente diferente, pouca coisa deve ser aproveitada...

Carlos Colangelo disse...

Seria mto legal! Já penso, Brawn GP ganhando a primeira corrida com o Rubens? A equipe que e o piloto dados como acabados liderando o mundial!! Seria mto legal mesmo!!

Carlos disse...

"Mas já pensou se a Brawn GP repete o feito da Wolf em 1977 e ganha logo na sua estréia..."
E ainda com o Barrica!?
Putz...O Brasil para!
Abrax Ico!

Anônimo disse...

E pensar que tem gente que acha que é somente marketing de treino.
Se eles estão correndo com o tanque cheio e estão fazendo os meçhores tempos, é porque o carro tá bom mesmo. Em 2007 e 2008 a Honda se arrastava mesmo nos treinos de pré-temporada.
Mas vamos torcer para que seja uma realidade, uma equipe nova e com capacidade de vencer.
Abraço a todos.
Paulo santos/RJ

Luiz G disse...

Acho que a Ferrari vai começar a temporada dando um pau em todo mundo...

Smirkoff disse...

Olá, Ico. Só depois de uns dias é que notei que esse carro da Brawn (ou do Brawn...) tem um detalhe muito interessante. O braço que comanda o esterçamento das rodas dianteiras é montado na frente do triângulo INFERIOR da suspensão dianteira. Desde que foi generalizada essa geometria de duplo triângulo, lá pelo início dos anos 80, ninguém ousava uma montagem dessas. A vantagem no caso da Brawn é tripla: limpeza aerodinâmica, rebaixamento do centro de gravidade e um movimento da peça mais perpendicular à rotação da roda, forçando menos os pneus. Com os bicos altos e "sem quilha" as suspensões dianteiras ficaram muito curvadas para cima em relação ao eixo das rodas, daí que o comando de direção, antes paralelo ao chão, agora fica em ângulo, limitando um pouco o sistema, e criando um comprometimento em relação ao consumo de pneus. A McLaren, Red Bull-Toro Rosso e Force India, com bicos altos, optaram por abaixar o braço de direção, enquanto Renault, Williams, Toyota e BMW o mantiveram no braço superior. A Ferrari tem um bico um pouco mais baixo, que permitiu uma montagem da suspensão em ângulo mais suave, muito parecido com o da Brawn.

Andre disse...

TReino é Treino. Jogo é Jogo. Quero ver os tempo de Melbourne!! @:)

Ico (Luis Fernando Ramos) disse...

Smirkoff, sensacional a observacao!
Confirma um pouco a idéia de que Brawn tinha uma clara idéia q caminho seguir, optando por uma solucao q, pelo visto nos adversários, era inteligente sem ser óbvia.

Vantoil, a vantagem q a McLaren poderia ter obtido no caso de espionagem é difícil de quantificar. Na minha opiniao, foi muito pequena e apenas ajudou a equipe em 2007 a acelerar o processo de adaptacao aos pneus da Bridgestone. O carro do ano passado é totalmente produto dos engenheiros do time, assim como o deste ano. Se tiver mesmo com problemas, foi por uma opcao equivocada em cima do novo regulamento, nada a ver com qq tipo de informacao externa. É o q eu acho.

Abs!

Ron Groo disse...

Em minha modesta opinião a Turtles está de sacanagem. Por mais que tenham testado em simuladores e computadores, pista é outra coisa.
Devem estar abaixo do peso permitido pela FIA, com quantidade de gasolina ok, mas o carro deve estar mais leve.
Ou é embuste. Vou aguardar Melborne ansioso. Só lá descobriremos o segredo.

luiz carlos disse...

Uma coisa é certa, desde os tempos em que me entendo por gente (33 anos) acho que nunca ví tanta expectativa e ansiedade em torno do início de uma temporada!

Tenho até medo de faltar energia no dia da corrida, eu me enforco! Acho que vou comprar um gerador!

Anônimo disse...

Brawn GP liderando os treinos e McLaren nas últimas posições!!! Se alguém sugerisse isso a alguns dias seria declarado louco. Este ano o negócio vai é pegar fogo.