quinta-feira, 23 de abril de 2009

REVOLUÇÃO A CAMINHO

Lola, USGPE, Prodrive. Pode acrescentar também a Barwa (ex-Campos) e até mesmo a iSport. Nunca houve tantos nomes sérios interessados em entrar na F-1 num mesmo período. Tudo por conta da idéia de um teto no orçamento de 30 milhões proposto por Max Mosley. E posso adiantar. O presidente da FIA avisou para as montadoras fazerem uma contra-proposta final para o valor que elas querem para se incluir dentro desse teto. Antes do GP da Espanha (ou no máximo dias depois dele), vem mais uma revolução por .


Bom para a Fórmula 1? Talvez sim: várias equipes, um ambiente econômico mais realista, a garantia de uma continuidade saudável para a categoria.


Ruim para a Fórmula 1? Pode ser também, caso a idéiafantástica” de criar regulamentos diferentes para os times que estiverem abaixo e os acima do tal teto. Seria transformar a categoria numa espécie de Le Mans, com LMP1 e LMP2.


Vamos aguardar o que sai da reunião da FOTA e a reação da FIA. Mas, de um modo geral, eu queria saber: o que você acha dessa idéia?

21 comentários:

Anônimo disse...

acho que nao seria muito diferente do que foi a F1 nos anos 80, onde quem não tinha um motor turbo não tinha nenhuma chance....

Daniel Médici disse...

Pra falar a verdade, estou de saco cheio desses grids raquíticos.

Por outro lado, depois desses últimos anos, me parece que o Mosley e o Ecclestone estão tentando transformar a Fórmula 1 em um reality show, fazer ela deixar de ser um esporte.

R/T disse...

Idéia ridicula, retrocesso total, que como diz o Correa da GPTotal, é a "nascarização" da F1

F1 sempre foi cara, elitista de alguma forma, e assim deveria se manter, ou alguem sente saudade de Andrea Moda, Eurobrun e outras porcarias que em nada serviam, a não ser pra preencher as 26 vagas e depois tomar volta de outras equipes

A coisa já está erra nas mudança de regulamento, mudaram nessa temporada com a implantação desse KERS, um disperdicio de verbas e recursos tecnicos, e na proxima temporada vão abolir os cobertores eletricos e o reabastecimnto, mudanças que possivelmente vão resultar em mais gastos e mais horas de pesquisa, quando que deveriam ter mantido o regulamento que valeu até 2002, mas com pneus slicks

Pedronha disse...

Eu penso que quanto mais gente melhor! Não era assim nos anos 80 e quem não tem saudade dos anos 80 que jogue a 1ª pedra!

Por outro lado, os 02 manda-chuvas da F1 não duram mto tempo não ( é duro falar isso mas é a realidade ) então acho que as vezes eles têm umas idéias mto loucas...afinal podem não estarem vivos pra ver o circo que armaram pegar fogo. Portanto, cuidado.

Henry disse...

ICO,
30 milhões não pagam o KERS que custa 40.

Uma equipe que se debruçar sobre o projeto 2010 seguirá que parâmetros?

O conceito de interpretação do regulamento, sacramentado no GP de Paris "relativizou" mais que a Teoria da Relatividade.

Acho que a trilha dos próximos tempos é VALE TUDO... Com Tim Maia ou Sandra Sá? ou de Sá? Tudo é relativo...

1abraço

Andre disse...

Tenho saudades doas ano 80. Um monte de carros, pré-qualificação , etc, etc,

Ron Groo disse...

Penso que deve ser mais para bom que para ruim.
Agora, está ideia de subdivisões podem mesmo acontecer? Isto seria muito, mas muito estranho.
Quando vi o titulo do post pensei em Al Green cantando: A change is gonna come.
Quando vi a foto pensei em Rolling Stones e seu Beggar´s Banquet.
Depois que prestei atenção na capa do disco fiquei louco de vontade ouvi-lo.
Poxa Ico, tudo aqui é musical...

Hugo Becker disse...

Muito bom, até falei sobre isso em meu blog hoje. Acho que é um dos raros acertos de Max Mosley.

Prefiro ver equipes miseráveis andando lá atrás e revelando eventualmente alguns grandes talentos do que ver um grid magro desse jeito. Quem já viu pré-classificação não consegue ficar feliz de ver uma corrida com míseros 20 carros.

Speeder_76 disse...

Eu, como boa parte de nós, vivemos o tempo das pré-qualificações e das grelhas cheias, com 26 carros. Mas nesse tempo, não havia tectos salariais, havia motores-cliente, pilotos e equipas da treta, como a Andrea Moda e a Life.


Hoje, para voltarmos a ver isso, Mosley decidiu balizar tudo: orçamentos, tecnologia, potência e aerodinâmica. Em suma, a Formula 1 está a transformar-se numa GP2 maiorzinha, no qual só falta termos chassis uniformes. Eu não me importo nada de voltar a ver 26 ou 30 carros na grelha, mas questiono-me: a que preço?

Beatle Ed disse...

Acho essa idéia uma besteira paquidérmica!

Mosley, Ecclestone e toda essa turma merece uma aposentadoria!

Mr.Mojo Risin' disse...

Isso nada mais é do que uma jogada muito mais politica doq tecnica.

Mosley quer impor uma idéia de F1 que não se encaixa nesse mundo moderno.

Se no padock está acontecendo uma enorme discussão por causa de um difusor, imagine por um pacote inteiro diferente.

Le Mans basicamente limitam o peso, cilindrada e alimentação.

Mosley quer engessar quem quer gastar mais e transformar essa gastança inutil contra os neo-garagistas da força da lei.

O mais engraçado disso tudo é que os salarios dos pilotos, marketing e os motorhomes estão fora da limitação.

Quer dizer para evoluir os carros e tecnologia , arrocho. Para ter os "melhores" pilotos, luxo, glamour e ostentação , tudo liberado.

Que hipocrisia.

Anônimo disse...

Vou de carona com o Hugo Becker .

Jonny'O

Smirkoff disse...

Eu acho que se é pra ter um teto de gastos, tem que ser pra todos. Ter duas categorias em uma é uma complicação que só afasta o público. Também quero ver um grid cheio, mas com carros que corram pelo mesmo regulamento.

Aliás, tem mais uma equipe interessada: a Epsilon Euskadi, da Espanha.

Paulo Cunha disse...

Concordo com o Speeder_76. Limitar o orçamento em si, nenhum problema, muito pelo contrário. Uniformizar motor, chasis, etc, é transformar em GP2.

Motoesporte não é só piloto, é mecânica também. Não podemos matar idéias novas que invertem o gride de uma hora para outra.

Anônimo disse...

Excelente.
Saudades das equipes pequenas... e quem nao torceu e vibrou com o podium da Onyx em 1989.... das belissimas corrida do Martini pela Minardi no final desta mesma temporada?! E o Capelli em 1988?
Alex Caffi na Dalara...

Enfim...

Com muitos carros, os treinos de sexta valeriam alguma coisa e nao aquela monotonia que sempre é...

Jayme Freitas disse...

Eu acho que a F1 necessitava de uma oxigenação. mas o velhinhos exageraram na dose.

Aumentar o número de pilotos no grid com regras nascarizadas não me parece prudente.

Principalmente por causa de pilotos novatos e, talvez por isso, afoitos (recorrentes nos dias atuais), com talento ou não (!), correndo por equipes realmente pequenas, além de afoitas e... novatas.

Marcelle Costa disse...

ico, tem algum limite para quantiddade de carros no grid?
E sobre a limitação orçamentaria, não acho que equipes como ferrari e mc laren, por exemplo, vão querer limitar seus investimentos se estiverem como na situação desse ano, com um carro fraco. Vão querer é evoluir o carro e se preciso gastar mais.

Luiz G disse...

Acho importante que entrem mais equipes, seja qual for o jeito.

Hoje, a F1 é conhecida por sua vasta tecnologia, mas no passado, era uma corrida de carros.
Considerando que a tecnologia não me atrai muito, prefiro pensar que quanto menos orçamento, melhor a corrida.

Eduardo Malheiros disse...

Como colocado, acho uma ótima proposta, contanto que seja bem gerida. Fica difícil opinar se, de fato, não sabemos exatamente o que está por vir. Torçamos pelo melhor.

Anônimo disse...

O que é melhor: Mais competitividade ou como há alguns anos atrás que não tinhamos nenhuma tesão em assistir uma corrida com o primeiro partindo na frente e abrindo 1 segundo por volta ?

A F1 não podedeixar de evoluir tecnologicamente mas pode sim tornar as disputas mais atrativas e abrir mais oportunidades para novas equipes.

Daniel disse...

Pra mim é uma ótima idéia.Mas logicamente deveria ter a proibição do Kers para a temporada de 2010(que pra mim é bem possivel que aconteça).E eria ser muito legal ver o Grid cada vez com mais equipes.Assim dá muitas oportunidades de equipes de categorias inferiores(como a GP2 e até quem sabe a F3)a entrarem na categoria,e ser mais uma oprtunidade dos pilotos novos entrarem na categoria.Agora só falta voltar a "Guerra dos Pneus",tomara que entre novas marcas nos compostos também.Dai sim eria ser a volta da "F1 das antigas"!!!!