domingo, 14 de junho de 2009

O TRIUNFO DO DISCRETO 908

Acompanhei com interesse a transmissão das 24 Horas de Le Mans pela Eurosport, um show de belas imagens e excelente reportagem. E finalmente o belo e silencioso Peugeot 908 conseguiu quebrar a hegemonia da Audi. E foi fácil que o R15, com sua cara de cãozinho da raça pug, não deixou de fazer jus à beleza dos anteriores R10 e R8, como pecou também na eficiência.


Fiquei feliz com o resultado, principalmente depois de ficar deslumbrado com a velocidade do 908 quando ele esteve há um ano e meio em Interlagos competindo nas Mil Milhas Brasileiras. E também pelo trio vencedor: Alexander Wurz, repetindo o feito de 1996, quando ainda era um garoto desconhecido; David Brabham, repetindo o feito do irmão Geoff também com um Peugeot em 1993, vitórias que o pai Jack nunca obteve; e Marc Gene, primeiro espanhol a obter esta honraria. No início do ano, em Madonna de Campiglio, conversei um pouco com ele, que não escondeu sua empolgação com a pilotagem do carro e admitiu que a prova deste final de semana ganhou uma dimensão ainda maior para si depois que os testes da F-1 na temporada foram proibidos. Três caras bacanas, que formaram o trio mais eficiente da Peugeot este ano.


Sobre os brasileiros, destaque para o bicampeonato de Jaime Melo na GT2, mais uma coroação do excelente trabalho de um piloto de extrema qualidade, que conseguiu se estabelecer como profissional no Exterior mesmo depois de frustrado o sonho de chegar à F-1. Bruno Senna não terminou a prova, a equipe Oreca resolveu tirar o carro da disputa depois de alguns incidentes na pista, um com o próprio brasileiro, para guardar peças de reposição para o outro que ia bem na classificação: decisão acertada, conseguiram um inesperado quinto lugar no geral. Para Bruno, valeu pela experiência de participar de um evento diferente do que está acostumado – eu apostaria que ele deixou o circuito com vontade de voltar um dia. O experiente Thomas Erdos também não chegou até o fim desta vez, perdendo a chance de repetir a vitória que obteve em 2005 na classe LMP2.

7 comentários:

António Barbosa disse...

Uma pena o sucedido com Pedro Lamy, é muito azar logo no ano em que havia condições para vencer.

Newton disse...

Cheguei a pensar que a Peugeot iria entregar o ouro de novo pra Audi, pois com 20 minutos de prova, o Peugeot 7 do trio Lamy/KlienMinassian, que estava saindo do pit, colidiu com o outro Peugeot da equipe do Pescarolo, que estava entrando no Pit.

Com isso, eles tiveram de ar uma volta inteira com pneu furado, que na medida que ele dechapava destruía a parte traseira da carenagem.

De assustar também o pancadão que teve o Peugeot do Pescarolo. O carro se despedaçou! Ainda bem que o piloto tá bem.

Filipe disse...

Quando a Audi jogou a toalha 5 horas antes do fim, pensei que a Peugeot ia operar o #9 para permitir que o trio francês vencesse. Fiquei com pena tanto do trio do #7 quanto do #8 que foram mais rapidos o dia todo, mas tiveram problemas que o #9 não teve, mas Endurance é isto mesmo.

Marcos Antônio Filho disse...

Torci mto pra o Bourdais vencesse com a sua trupe francesa, mas pelo menos a Peugeot levou...

António Barbosa disse...

ICO eu acompanhei em permanência esta edição das 24 horas de Le Mans via Eurosport 2 ( tendo a possibilidade de visionar toda a noite non stop ) e a certa altura olhando a toda aquela beleza e magia dos sport protótipos em comparação com o vazio absoluto em que se tornou a F1 questionei-me e questiono-lhe também a si se a F1não teria umas coisas a aprender com o mundo dos carros de Sport para evitar tornar-se cada vez mais uma modalidade previsivel demais e sem interesse.

Lucas Carioli disse...

Ico, você viu que lindos os Lola-Aston Martin com a pintura da Gulf? Pra mim, os mais lindos da pista! Minha torcida era pra eles.

Rodrigo Mattar disse...

Erdos venceu em Le Mans na LMP2 em 2005 e também em 2006, ano em que foi 8º colocado na classificação geral.