sábado, 15 de agosto de 2009

TV BLOGO – RICHIE HAVENS

Hoje o mundo comemora 40 anos do festival de Woodstock, um evento que ficou marcado como o símbolo da contracultura quando, historicamente, foi quase um canto do cisne do movimento. Para mim, a data tem um motivo especial. Foi em agosto de 1989 que minha família adquiriu uma então novidade do mercado, um CD player. E o primeiro CD que eu comprei foi justamente o duplo com a música do festival. Numa era pré-WWW e MP3, aqueles dois disquinhos prateados me abriram as portas para muitas bandas que conhecia pouco ou nada, mas cujas coleções adornam minha estante de CDs hoje em dia. A faixa 1 do disco 1 era essa de cima, “Motherless Child” de Richie Havens. Apenas um início de uma eclética e fina colagem musical. Vamos trazer um pouquinho dela nesse espaço nos próximos dias.

4 comentários:

Pedro disse...

bem colocado, Ico, Woodstock foi mesmo um canto do cisne...

... e Altamont a tampa do caixão.

E Monterey, que ninguém comenta muito, o mais legal desses festivais dessa época.

E nem todo mundo achou woodstock (ou esse movimento hippie) essa coisa toda, né?

Já vi depoimentos (da época inclusive, o que é ainda mais legal) do Pete Townsend, do Neil Young e do George Harrison ajudando a colocar as coisas em uma perspectiva mais realista.

pra deixar registrado que não sou mal humorado;

primeiro cd: uma coletânea não oficial (bem fajuta, na verdade) do Hendrix

segundo cd: um duplo ao vivo do Crosby, Stills, Nash & Young.

Abraços pra todo mundo

Ron Groo disse...

Eu tenho um box set em vinil, algumas coisas eram simplesmente sem noção... Mas muita coisa foi muito legal.

O mais curioso foi ver um documentário do pessoal do Who falando que o festival foi um horror!
Mal organizado, que eram um monte de gente chapada sem nenhuma noção do que estava acontecendo, que poucos presavam atenção ao que estava no palco...

Neil Young disse que ao chegar teve vontade de ir embora sem tocar.

E por fim Sly, de Slu and the faily stone dizendo que se você hoje tem saudades de Woodstock é porque você não esteve lá.

Como documento histórico e musical é sensacional, mas realmente marcou o fim da era dos grandes festivais ao ar livre.

O assassinato em Altamond pelos anjos do inferno que vejam só, foram contratados pelos Stones para fazer a segurança pos fim ao tal slogam paz e amor.

E ainda tivemos mais dois festivais de Woodstock, e só de lembrar que a molecada tocou fogo literalmente na coisa enquanto os Chilli Peppers tocavam Fire do Hendrix eu me arrepio, já que ali expressou o que infelizmente é o jovem destes dias. Violento e sem noção de civilidade e diversão.

Ico (Luis Fernando Ramos) disse...

Legal as opinioes, Pedro e Groo. E Pedro, um início de colecao com o 4-Way Street como segundo CD só pode ter resultado numa bela colecao, nao é?

Abs!

alfie disse...

A lot of freaks!