terça-feira, 15 de setembro de 2009

O QUE SABEMOS E O QUE NÃO SABEMOS

O dia mal começou, mas há uma revolução em curso. No início da manhã européia, a FIA “rebaixou” a Sauber à equipe reserva para abrir uma vaga para a Lotus, com o argumento de queainda restam incertezas quanto ao futuro da equipe”. Duas horas depois, a BMW anuncia que a equipe foi vendida para um grupo de investidores suíços e árabes. É óbvio que a FIA sabia disso de antemão. Talvez não dos valores, mas que um acordo estava próximo ou mesmo que estaria consumado. Como principal interessada em manter a vaga, a turma de Hinwil sempre manteve Mosley e Bernie bem informados do estado das coisas.

Então porque a FIA faria isso? Bem, se tudo está acontecendo agora, justamente a poucos dias do julgamento sobre Cingapura e a menos de um mês e meio do final da temporada, é porque os dirigentes sabem realmente que alguma das 13 equipes inscritas no ano que vem vai sair fora (e sabemos que não é a BMW, depois do resgate de Hinwil). A menção no release da FIA da possibilidade de um Mundial com 14 equipes foi um mero exercício de cinismo.


Existem dúvidas no paddock quanto à sobrevivência das equipes novas, as principais delas centradas na USF1 (e perguntar não ofende: se estas dúvidas existem, porque a vaga foi dada à ela? Que lixo de concorrência foi essa?). Mas o eventual fracasso de um desses times não é um fato consumado. Eles estão na luta por patrocínios, podem ter problemas para garantir a retaguarda técnica, mas ainda trabalham para correr no ano que vem. Não é possível dá-los como mortos. Ainda não.


Não sei não, mas começo a achar que foi a Renault quem definiu junto de Max Mosley uma estratégia para minimizar os danos do episódio e está batendo em retirada. Corta-se a cabeça de Briatore, Pat Symonds e Nelsinho Piquet ganham imunidade, a marca faz um pedido de desculpas pela decisão individual do italiano e sai de cena, talvez até se mantendo como fornecedora de motores para salvar pelo menos a fábrica de Viry-Chatillôn.


A decisão, acho eu, já foi tomada. Pode ser maluquice demais da minha cabeça. Mas uma movimentação intensa dessas num cenário que estava completamente parado pode significar que alguma coisa muito grande aconteceu.

15 comentários:

JT disse...

Nao e maluquice nao Ico, faz muito sentido

Pedro disse...

Olha, Ico, eu acho que é isso aí mesmo.

O Briatore, que nunca teve assim esse "comprometimento" com o automobilismo, sempre esteve lá por outros motivos (dinheiro, vaidade, desafio, sei lá), seria expurgado da F1.

E os Piquet teriam o que pretendiam ao botar a boca no trombone.

A um preço bem alto, mas, convenhamos, no momento que o Nelson Ângelo topou bater de propósito, ele já estava queimado, no mínimo com ele mesmo. Ele deve ter se arrependido no dia seguinte do que fez. Só faltou falar antes.

Mas eu acho até que agora, por todo mundo já saber, ele deve estar até aliviado. Errou feio pra cacete, mas já está pagando por isso.

E, se ficar queimado pra sempre na F1, paciência.

Eu acho que essa molecada tá chegando muito cedo à elite, imagino que a F1 é um ambiente muito perigoso pra quem não tem uma certa vivência. O Pizzonia mesmo falou outro dia isso, que entrou cedo demais na F1.

Vamos ver no que dá.

Agora, a corrida em si foi muito boa, deu até pra esquecer esses assuntos de bastidores...

Fleetmaster disse...

Nada mais me causa espanto.
Tudo parece um teatro com cenas matematicamente ensaidas. E no final tudo se encaixa com um belo quebra-cabeças!

Fernando Mayer disse...

Ico

Tanto isso que você falou é verdade, que como disse no comentário anterior é realmente muito esquisito equipes estas equipes não terem nem pago as primeiras parcelas de fornecedores de equipamento e ficar por isso mesmo.

Edgard Pinto Júnior disse...

www.oconsumidoremdebate.blogspot.com

Muito coerente sua tese. Já falavam que a Renault iria sair e que o Briatore ficaria com o espólio, mas depois dessas novas viradas fica a dúvida se ele realmente vai poder assumir o que sobrar.
Não seria menos coerente chutar que o Piquet ficasse com a equipe...hehehe, sei lá, indenização, alguma coisa assim, unindo uma bela grana de patrocinadores...bom, isso sim seria teoria da conspiração, mas só o tempo dirá.

Speeder_76 disse...

É uma lógica louca, mas se calhar é verdade. A Renault ir embora, banindo o Briatore, não faz muito sentido, mas pode ser. As novas equipas não conseguirem chegar lá, acredito mais nisso. Especialmente a Campos, que devia ter anunciado pilotos em Valencia e não o fez.

Quanto às outras duas... o Branson comprou a Manor (que tem interesses de amigos de Mosley, como Nick Wirth) e a USF1 tem o apoio da Youtube (não quer dizer que tenha o dinheiro...), mas eles avançaram por motivos politicos: os tais 40 milhões de tecto e o comprometimento dos motores Cosworth.

Como a Lotus saiu de cena em 1994, altura em que tinhamos grelhas de 26 carros e diferenças de 4 a 5 segundos entre o primeiro e o último, acho que em 2010, quando voltar, parece que nunca saiu de cena...

Luiz G disse...

Ico, tudo isso faz sentido.

...E acho que a Renault vai voltar a parceria com a Williams como fornecedora.

Só fica uma dúvida:

Pra onde vai Nelsinho??...Embora?

celsovedovato disse...

Ico,

Faz sentido.Porém, da decisão da Fia em oferecer delação premiada a Symonds, só consigo fazer uma leitura mais imediata, o objetivo é a cabeça de Briatore, como era a de Ron Dennis no escandalo da espionagem. Desenhava-se na semana passada uma chance de não se conseguir provar nada contra Briatore, assim a Fia age e oferece o benefício a Symonds.
Não creio que os Piquet´s tenham entrado nessa só por vigança, creio mais em terem sido solicitados a entrar e com garantia de equipe para o ano que vem.
Sobre Nelsinho, me parece que o contrato dele com Briatore ainda está em vigor, logo não poderá anunciar qualquer possibilidade antes desse término, sob risco de ter que repassar ao "empresário" parte de eventual acerto. Será que isso procede Ico!? De qualquer forma acho que Nelsinho só volta pagando, e não recebendo qualquer valor.

Aciron Alano disse...

Caro ICO, estava na dúvida com relação a grafia correta de Cingapura ou Singapura, mas no português tupiniquim foi adotado Singapura.

A última edição do "Vocabulário Ortográfico da Língua Portuguesa, da Academia Brasileira de Letras, traz "Singapura", e não "Cingapura"; "singapurense, e não cingapurense.

Anteriormente, o Aurélio e o Houaiss grafavam Cingapura, mas singapurense, o que era um contrassenso.

A revista VEJA desta semana já traz escrito em suas páginas Singapura com S.

Fãbio disse...

Olá Ico
Seu raciocinio está perfeito, senão qual seria a credibilidade de uma empresa de investimentos de grandes fortunas que compra uma equipe que não pode correr, quem quer investir a sua poupança em um banco que cai no conto do vigário

Caíque Pereira. disse...

Ico,
Seu raciocínio está perfeito, mesmo que isso não venha a ocorrer.

marconi disse...

Ico, eu colocaria a Toyota nesse grupo de Renault e USF1.

Anônimo disse...

Ico, SO TEM GENTE FEIA!!!!!

Ron Groo disse...

é impressioante como a F1 esta rendendo muito mais assunto fora das pistas que dentro.

Ron Penis disse...

Maluquice por maluquice vou mais longe... Ao dirigir a giratória agora para o Alonso, garantindo que ele sabia de tudo, não estaria o NP por dentro dessa suposta saída da Renault, tentando inviabilizar de vez a ida do espanhol para qualquer equipe de ponta?
Convenhamos que a ida do Alonso para uma Ferrari, depois dessa merdolência toda, seria um baita presentão, né não?!