terça-feira, 1 de junho de 2010

CREDENCIAL – TURQUIA

Por que Lewis Hamilton desceu de cara amarrada depois de sua primeira vitória do ano? Por que a Red Bull queria que Vettel ultrapassasse Webber naquele momento da prova? Ficou um programa longo esse “Credencial” do GP da Turquia, mas vai ajudar a entender muitas questões do final de semana – me ajudou também, deu para consolidar algumas conclusões enquanto eu analisava em cima das perguntas de vocês. E tem também informações quentíssimas sobre tudo o que circula no paddock, incluindo os detalhes sobre o projeto de continuidade na Red Bull, mesmo com o que aconteceu em Istambul. Aperte o play para ouvir as duas partes do programa. E ajude a divulgá-lo por aí, em fóruns, blogs, no twitter. Conto com o apoio de todo mundo que gosta do “Credencial”!

PARTE 1



PARTE 2

13 comentários:

Leandro disse...

Para mim a chave da Red Bull e o Newey,se ele sai a equipe cai de rendimento,isso é visto pelo salario dele deve ser o do Webber e do Vettel juntos.

Anônimo disse...

Eu tentei ouvir o "Credencial". acho o Ico um puta jornalista. Mas pra ouvir precisa de uma garrafa de café do lado e um saco de elefante. Desculpe mas foi o que achei.

Celso Renato de BH

xicoriaaa disse...

que sono em ico!

tibone disse...

Excelente programa Ico, como de costume.
Não sabia que o Newey ganhava tanto assim, mas é mais que merecido, afinal o cara desenhou um foguete. A Mclaren precisou de F-Duct e 7 corridas para chegar perto do RB6 e mesmo assim, ninguém ainda passou eles em termos de 'raw performance'.

teo disse...

boas informações, grande reporter

Julio Cesar disse...

Oi Ico, aqui na universidade não abre links como esse, do credencial..o que terei que faze-lo em outro local. Desde o anterior estou curiosissimo, apesar de alguns bocejos alheios. Não me sobrou foi tempo para tanto.
Pelos comentários, e por ser mais do que um 'somente aficcionado' da F1, e já acompanhando a mesma há quase 40 anos...e tambem o trabalho do Newey... digo que tem certas coisas são imutáveis e merecidas.
Se o Newey tem um salario que soma ao do Vetel (o poderoso Phorr_ada) e do Clark Weber, é porque o cara parace ser o ultimo remanescente da finda era em que nomes como Colin, Ken, Murray, Harvey, Barnard, são de fato quem dão asas a esses alados terraqueos. Já pensaram no Sutil na Red Bull? e o Petrov, que por ser 'proximo' 'daquele' Russo olhavam-no com um franzer de testa? (tem andado a decimos do kubica (que 'tá' onde no campeonato?heim?)... O que pode fazer o homem dos 3ou4decimos (alonso) com asas que faltam penas?...Porque será que a McLaren enfiou o Murray na geladeira?
bem...essas e muita outras que lotariam esse box são sim perguntas que de fato fazem a diferença (sem modèstia)... para os que acham que to viajando, notei o weber naquele famoso 5 lugar com minardi/studart, igualmente alonso era osso duro na mesma equipe, versão anterior, tanto que, até nos joguinhos de GP o profile do 'cara' é terrivel. Sutil, já se vão várias corridas que ele mostrou o potencial que tem, espero que não deixem-no cair da arvore...maduro demais...
Abraço
Vou divulgar a coluna aqui, oK? com muito prazer.

Em tempo, Luis, ainda bem que corrigiu a sua nota sobre a F1 ao final da corrida, na Bandnews, eu já lhe estava cobrando o fato de não salientar que Weber havia saido da corrida apos a colisão do Vetel estando ele na liderança desde a pole, e que a vitoria caira no colo de Hamilton...

Fernando disse...

Ico respeito demais o seu trabalho, mas esta muito irritante escutar o seu Credencial, nao sei se vc esta viajando de sono, viajando de baseado ou os dois por que suas pausas e as perdidas raciocinio sao dose.

Desculpe mas as vezes parece falta de respeito a nos que te acompanhamos e gostamos demais do que vc faz.
Um abraco,

Fernando

Rangel disse...

Confesso que não entendi os comentários do "sono"... Claro, o Credencial não é um programa agitado como um programa com o Edgard de Mello Filho, por exemplo, mas também não é motivo pra dormir. De mais a mais, entendo o programa quase como um favor: o salário dele não aumenta por fazer o programa, não pagamos pelo podcast, é um insight grátis no mundo da F1... Sempre pode melhorar, como tudo na vida: minha sugestão é limitar as perguntas pra não deixar o programa ficar grande demais.
Um abraço a todos, Rangel (BH)

Lucas disse...

Ico,

Teu blog de automobilismo, na minha modesta opinião, é o melhor sobre Fórmula 1 no Brasil e, sem dúvida, o "Credencial" tem um enorme potencial - não apenas pela interação com o público, mas a apuração precisa, sem exageros, e a análise equilibrada (sem pachequismos ali ou achismos aqui) sobre o que acontece no paddock.

No entanto, acho que deverias repensar sobre o limite de perguntas no programa, já que, em certas edições (como essa), ele fica extenso demais, com muitas pausas e pequenas interrupções incômodas.

Sei que és fã do Yes... então, pra facilitar a compreensão, te digo: a edição desta semana me pareceu como "Tales from Topographic Oceans", com riqueza de detalhes e informações, mas pouca concisão - em especial, na segunda parte do programa.
Talvez categorizar as perguntas por temas fosse uma saída para tornar esta seção (a interação com o público) mais coesa.

Esta observação negativa não tira a excelência do programa e do blog, uma grande opção diária de informações sobre automobilismo. Parabéns pelo grandioso trabalho.

Abs
Lucas (Belém-PA)

Daniel Médici disse...

Bem legal a resposta à minha pergunta, Ico! A continuidade do GP da Turquia mesmo frente à baixa presença do público é a prova de que Guy Debord estava cert em seu diagnóstico: a sociedade do espetáculo é o dinheiro que se olha - os olhos dos espectadores são mero detalhe.

E búlgaros... é bastante surpreendente. Achava que houvesse um público israelense mais considerável, afinal em Israel, por motivos óbvios, não se organiza eventos internacionais de grande porte. Se houve israelenses no GP esse ano, certamente eles não voltarão tão cedo...

Ainnem Agon disse...

Ico, em relação aos lastros: lembro-me de em 2008 ler sobre como a BMW ter conseguido uma ótima performance no carro frente à temporada de 2007. Basicamente ela utilizava-se de diversos lastros, eram discos de metal (não lembro qual, acho que ferro, os quais eram distribuídos ao longo do carro de acordo com o peso do Kubica a fim de encontrar o melhor ponto de equilíbrio e centro de gravidade.

Rodney Brocanelli disse...

Está divulgado: http://radioamantes.wordpress.com/2010/06/03/formula-1-em-podcast/

Gabriel Souza disse...

Valeu, mais uma vez, pelo programa, Ico!

E sua risada foi um pouco "maligna", após dizer que tinha uma Epiphone naquela configuração... hehehehe...

Só consegui terminar de ouvir agora. Mas valeu mesmo assim.

Abraço!