sexta-feira, 23 de julho de 2010

BALANÇO DE MEIA TEMPORADA IV

McLAREN
É injusto afirmar que a McLaren está na ponta do Mundial apenas pelos dramas da Red Bull. Afinal, a idéia do duto de ar veio de Woking e, antes que os outros times a copiassem, seus pilotos construíram resultados importantes. Além do mais, o MP4-25 tem uma boa capacidade de desenvolvimento. E o time não tem errado nas suas escolhas. Não tem o melhor carro, mas é a melhor equipe da primeira metade do ano. Com sobras.


Lewis Hamilton
demorou só um pouquinho para pegar a mão desta nova Fórmula 1, na qual cuidar do desgaste dos pneus e do consumo de combustível é importante. E está mostrando uma maturidade surpreendente ao saber exatamente a hora de atacar e a hora de correr apenas pelo resultado possível. Os pilotos já entenderam que a chave do título é colecionar pódios. E o inglês está fazendo isto melhor que o resto do grid.

Jenson Button
calou todos os céticos em pouco tempo na McLaren. Trabalhou duro para uma adaptação rápida ao time e colheu os frutos disso com duas lindas vitórias em condições confusos, uma área em que costuma brilhar. Chega ao meio do ano em ótima posição para defender seu título. Mas precisa melhorar seu desempenho em classificações com urgência para se manter vivo na briga até o final.

RED BULL

A Fórmula 1 traz alguns exemplos em 60 anos de história de equipes que perdem um título para elas mesmas. É o filme que pode estar sendo exibido neste ano. Adrian Newey conseguiu com o RB6 um carro superior em qualquer tipo de pista. Mas o time já jogou fora um caminhão de pontos por falhas mecânicas e pela má administração dos seus pilotos. Ficou uma situação em que só o título salva.


Sebastian Vettel
continua um piloto velocíssimo, colecionando poles e vencendo eventualmente com autoridade. Mas já passou da hora de mostrar que é capaz de triunfar em situações adversas, conseguindo aquele algo a mais numa corrida com problemas. Não tem culpa nos rachas internos da equipe, mas parece que é o mais afetado por elas.

Mark Webber
está fazendo a temporada de sua vida, andando o tempo todo no mesmo nível do companheiro Vettel – algo que só acontecia de vez em quando no ano passado. E age também com astúcia fora da pista para desestabilizar o alemão. Sabe que pode ser sua última chance de título e a está agarrando com uma determinação que pode fazer a diferença no final. Olho nele!

FERRARI

Ainda não é aquela Ferrari bagunçada dos anos de fila, mas está longe de ser o sinônimo de eficiência dos anos de Jean Todt. Não vejo nada de grave na parte técnica: o carro é mais confiável do grid e não é nenhum drama estar correndo atrás da performance excepcional do modelo da Red Bull. Mas as decisões de comando são mais erradas do que certas (classificação na Malásia, episódio Alonso em Silverstone).


Fernando Alonso
parece uma criança frustrada. Seu sonho de chegar na Ferrari com um título começou com tudo na vitória do Bahrein. Mas o espanhol começou a errar muito depois que a superioridade do conjunto da Red Bull ficou claro. Isso atrapalhou muito suas chances no campeonato. Está pilotando muito bem, mas está sendo mais prejudicado por si mesmo do que pela própria competitividade do carro ou eventuais erros do comando da equipe.

Felipe Massa
não está fazendo uma boa temporada e é o primeiro a reconhecer isto. O problema de falta aderência dos pneus na classificação não é desculpa, mas um fato que está atingindo em graus diferentes muitos pilotos do grid. Quando ele não ocorre, o brasileiro até consegue resultados condizentes com o potencial do carro. Mas precisa urgente de uma grande performance, de preferência uma vitória, para salvar um ano que, até aqui, está sendo para se esquecer.

2 comentários:

Hanri disse...

Ico, discordo em apenas um ponto: a confiabilidade da Ferrari. Hoje eles estão muito bem, mas o Motor Ferrari apresentou vários problemas no inicio do ano.

Agora, estratégicamente, está um caos. O último carro campeão foi de 2004 (o de 2006 tbm estava ótimo mas estourou no Japão), depois disso não foi mais uma equipe campeã (apesar de Alonso e Hamilton terem dado um título a Raikonnen em 2007). Se não fosse isso, já seriam 6 temporadas na Fila.

Daniel Médici disse...

Sou da opinião de que, se há uma equipe muito mais organizada e eficiente que as outras, há algo de muito errado com a categoria. Por isso, essas disputas de ego, membros do time batendo cabeça e desavenças internas são um bom sinal. A F1 está saudável.