quinta-feira, 13 de setembro de 2007

UM JULGAMENTO PARA INGLÊS VER

Confesso que não estava muito ansioso com o julgamento de hoje. Atualizei o blog de manhã e fui cuidar de outros assuntos pendentes em outros pontos da cidade. Quando chegasse em casa, veria a decisão e daria o meu comentário. No fim, a reunião acabou se extendendo e cheguei ao computador em tempo de ver toda a confusão causada por uma notícia errônea publicada no site da Autosport – ao que parece, devido a uma informação errada da delegada da FIA presente em Spa-Francorchamps – e desmentida logo depois. Quem conhece o que era e o que é a Autosport atualmente deveria dar bem menos crédito a eles.

Bem, no final, a McLaren perdeu os pontos, tomou uma multa e o barco segue. Seus pilotos? Nada, eles ganharam imunidade por terem colaborado com o caso. Excelente: quando li a carta da FIA relativa aos e-mails enviados por Fernando Alonso e Pedro de la Rosa, acreditei que a tal imunidade era de ordem disciplinar (ameaça de cassação da superlicença), e não esportiva (perda de pontos por uma eventual vantagem indevida obtida por sua equipe). Engano meu.

Então, pelo que eu entendi, a McLaren foi considerada culpada – ou seja, levou algum tipo de vantagem a partir dos documentos do carro adversário que estavam de posse de um funcionário seu. Mas os pilotos que ganharam corridas e somaram pontos, não levaram nenhuma vantagem com isso. Ou sim, levaram vantagem, mas como ajudaram aos dirigentes a apontar a falcatrua, saíram ilesos da história (como se tivessem revertido esta vantagem). Genial, não é?

Agora sim estou ansioso. A FIA vai divulgar amanhã um comunicado explicando o que a levou a este veredicto. Ótimo, estou precisando mesmo dar umas boas risadas.

No fim, claro, uma decisão absolutamente conciliatória. A Ferrari é a campeã dos construtores, o padre de Maranello deve estar dobrando os sinos da igreja até agora. Que título bonito! A McLaren tomou uma multa de 100 milhões de Euros e, pior, parte do valor já será descontado de sua fatia no apetitoso bolo distribuído pela FOM. Dolorido? Em termos: é como se perdesse um quinto do orçamento que teria para o ano que vem. Terá de arrumar uns 60 milhões para cobrir o prejuízo. Pode ser muito para Ron Dennis, mas apenas um troco para a Mercedes-Benz, se for ela a pagar esta conta. Menos que o financeiro, o pior mesmo é a imagem arranhada. Mas, isto eles sabem, poderia ter sido muito pior. Até porque, quando o campeão da temporada for decidido, ele estará vestindo um macacão prateado com a estrelinha da marca alemã. As queimaduras sofridas hoje em Paris não representarão mais nada diante do bálsamo das imagens distribuídas em todo planeta quando da conquista do título de Pilotos.

No fundo, mesmo diante do que parece ser um caso escandaloso de vantagem indevida, a FIA e as forças dominantes da Fórmula 1 cuidaram de preservar os três principais mercados da categoria na Europa (e, também do mundo, ao lado do Japão). A Inglaterra de Lewis Hamilton, a Espanha de Fernando Alonso e a Alemanha da Mercedes-Benz. A Itália, que terá de se contentar com o Mundial de Construtores, está claramente abaixo destes outros países. Até porque a força da Ferrari aparece quando se leva em conta o planeta todoum ajuntamento, mais ou menos residual, de fãs em todos os cantos da Terra.

Para Alonso, foi uma vitória pessoal, que este veredicto deve destravar sua multa contratual se ele quiser assinar por outra equipe – e há fortes indícios de que ele quer. Mas foi também uma perigosa derrota. O verdadeiro vencedor desta quinta-feira é este guri da foto em cima: Lewis Hamilton. Perdido o Mundial de Construtores, a McLaren vai com tudo agora para garantir a conquista entre os Pilotosalgo, aliás, praticamente certo, basta olhar na tabela. Mas, mais do que isso, vai tratar nos pequenos detalhes para que o troféu fique com o bom soldado Hamilton, e não com o marrento e rancoroso Alonso. Eu apostaria nisso.

Assim, foi um julgamento para inglês ver.

+++

Infelizmente esta história não acabou e ainda vão surgir muitas acusações e controvérsias até o fim do ano – e possivelmente muito além disso. Mas, caso Hamilton confirme o título, criará um interessante paralelo com Michael Schumacher. A primeira conquista do alemão foi absolutamente controversa e ocorreu num ano caótico para a Fórmula 1, como este. Obviamente, no desenrolar de sua carreira, ele provou ser um piloto altamente competente e excepcional, nãomuito o que discutir sobre isso. O inglesinho se verá então com a mesma tarefa: terá de florescer como um dos grandes pilotos de todos os tempos, colecionando vitórias, títulos e recordes. Mas, se ficar com essa conquista de 2007, irá se juntar a seus compatriotas John Surtees e James Hunt. Campeões do mundo, sim senhor, mas apenas uma vez – de uma maneira polêmica e, para muitos, considerada injusta.

15 comentários:

António Hubner disse...

- A Itália deve ser um mercado muito mais importante que a Espanha. Vide o PIB de lá ser muito maior que o espanhol.
- Tudo acertado pra Ferrari vencer entre os construtores e levar muita grana com isso
- Tudo acertado pro Hamilton, o inglês, vencer o título.
- Alonso está mais que ferrado. Uma pena.

Daniel Gilberto RJ disse...

então eu mato uma pessoa, a polícia descobre e eu digo como matei e aonde deixei o corpo. Aí minha pena é reduzida a pagar uma multa e a prestar serviços sociais....realmente é uma vergonha o desfecho desta história

r/t disse...

A piada desse resultado do julgamento leva a crer que existiram DOIS carros da McLaren, o 22I, de ILEGAL, que foi o que usaram no mundial de construtores, e o MP4 22L, de LEGAL ?

Piada, não acha ? Os pilotos correndo com um carro que ainda que não tenha propriedade intelectual alheia, se beneficiou dela, isso é pizza sim, é tão vergonhoso quanto a politica que tantos adoram malhar, aliás, é mais vergonhoso até, porque ficou bem claro que houve toda uma "Inglesada" ali, já que da multa serão abatidos os percentuais da FOM

Bruno disse...

Olha, Ico, tá de parabéns o teu blog. Concordo contigo: é absurdo não punir os pilotos esportivamente. E se por aqui a revolta com o resultado é grande, imagina na Finlândia! :P

Aproveito pra deixar um link pro BATracer. Conheci o jogo pelo teu blog e viciei. http://batracer.com/-1FrontPage.htm?F5i

Abraços a todos

Anônimo disse...

Ou seja, foram penalizados a McLaren, Massa e Raikonen. Só quero que me digam o que os dois últimos têm a ver com a história.
Luiz Eduardo/Curitiba

José A. Matelli disse...

Quero discordar do Ico quando ele diz que a Itália esteja "claramente abaixo" dos três países, ainda mais quando comparado com a Espanha. Antes ao contrário: F-1 e Ferrari são quase sinônimos. F-1 sem Ferrari, sem GP de Mônaco, sem Silverstone e sem Monza não é F-1. Já o interesse espanhol é circunstancial e febril, oriundo do surgimento recente de um fora-de-série. Não há uma clara tradição espanhola em automobilismo de monoposto - nem em termos de pilotos e muito menos de equipes -, ao contrário do que ocorre com o motociclismo. Em termos industriais, a Espanha não tem nem uma montadora que possa rivalizar, em termos de vendas globais, com as alemãs, francesas e italianas. Nem fornecedores, como fabricante de pneus, sistemas eletrônicos e freios. Já a Itália as possui, e todas com presença global. Isso posto, gostaria de saber quais os argumentos do Ico para sustentar sua opinião a esse respeito.

Caíque. disse...

OBITUÁRIO:

Faleceu hoje em Paris, as 18:00 Horas,aos 57 anos, a Ms. Fórmula 1, uma senhora que até 1988 mostrava um vigor espetacular, mas a partir de seu casamento com Sir Bernie Ecclestone em 1986, começou a se tornar pedante, opulenta, ganaciosa e a destratar todas as Senhoras que gravitavam ao seu Redor: Ms Endurance, Ms F-2, Ms F3, Ms F-Ford e atualmente graças a seu Marido, Sir Ecclestone, estava a pique de tentar estragar Ms MotoGP e Ms WRC. Devido a sua soberba e ganância, Sra. Formula 1 acometida de trapaças confirmadas, ainda tentou voltar a antiga forma, mas graças a Seu Marido, Sir Ecclestone, não mais consegue um mínimo de dignidade, premiando Culpados.
Causa Mortis: Infecção Generalizada.

O Féretro sairá da Capela de MontMartre, amanhã, as 16:00h, hora local.

Ico (Luis Fernando Ramos) disse...

Respondendo ao José Matelli, realmente minha afirmacao em termos de impacto econômico foi inconsistente e admito isto aqui: a Itália está muito a frente da Espanha levando em conta os parceiros tecnológicos das equipes de F-1, em especial mas nao somente pela FIAT. Embora a Espanha possua também grandes patrocinadores por lá, o Santander por exemplo.

Meu argumento se baseia principalmente no público. Estive nos GPs da Espanha e da Itália deste ano e nem se compara a lotacao dos dois autódromos: Barcelona apinhada e Monza com diversos buracos nas arquibancadas. Pelo que sei, mas posso me enganar aqui, a audiência da categoria tb é maior na Espanha - e audiência é algo que Mister E leva muito em consideracao.

Isto posto, nao podemos esquecer que o mercado italiano tb foi "atendido" nesta pizzada com o troféu dos Construtores para a Ferrari.

Carlos Henrique disse...

Ico, excelente seu post, e se a McLaren for profissional com seus pilotos, acho que Alonso leva, tá com mais pinta de campeão, vem crescendo prova a prova e nessa tocada, ultrapassa Hamilton logo nos pontos.

Ico, se a McLaren quisesse, qual seria o prazo que ela teria para apelar da decisão do Conselho ?

Herik disse...

A justificativa para não punir os pilotos foi que eles contribuiram com a FIA ao encaminhar os e-mails, certo? Mas qual foi a contribuição do Hamilton? As tais informações não foram passadas pelo Alonso e De la Rosa? Interessante, mas até esta justificativa da FIA é furada, pois, pelo que sabemos, Hamilton ficou pianinho na história, com o seu patrão.
Para mim o título desse ano fica com Hamilton, que vai justificar até aquela sua biografia premonitiva. E vai ser no Japão. Está escrito!
Não vejo qualquer razão - fora a da competição ética entre esportistas - para que a McLaren passe a prejudicar um piloto que tanto prejuízo para a equipe em favor do bom menino, o querido tutelado.

Fleetmaster disse...

Bom, paree que este " acordão" foi muito bem costurado em Monza. O Chora do Ron Dennies então era o de quem já parecia saber oque ia acontecer

Blog F1 Grand Prix disse...

Poucos concordam com a minha opinião, mas achei a decisão do Conselho Mundial da FIA muito acertada...

Grande abraço!

Marcos Lauro disse...

Mais um ponto em comum entre Schumacher e Hamilton: A cara e a festa sem graça que o inglês vai fazer quando ganhar o campeonato vai ser idêntica àquela feita pelo alemão, quando ganhou aquele GP passando pelo Barrichello na reta final. Cara de "ganhei naquelas..."!

José A. Matelli disse...

Ico,

Obrigado pela resposta. Com relação ao público, não resta dúvida; tanto que Mister E deu mais um GP para a Espanha e tirou um da Itália.

Mudando de assunto, uma curiosidade: alguém no GPL já andou com um F-1 atual no Monza sem chicanes e com o anel de velocidade? Depois que o Heidfeld andou no velho Nurburgring comecei a ter delírios sobre um F-1 (Ferrari, naturalmente) andando naquelas curvas inclinadas...

Aproveito para lhe parabenizar pelo seu trabalho, é de um padrão muito alto, raro de se encontrar no Brasil.

Abraços,

Paulo Coruja disse...

resumindo este embróglio:
vai uma brotinho a moda Calheiros?