quarta-feira, 24 de outubro de 2007

CONGELOU. E DAÍ?

Nada como terminar uma temporada com o tradicional “Pacotão do Max”. Na minha avaliação inicial, é mais uma série de medidas desastrosas revestida em uma pletora de boas intenções. Eu vejo o corte de custos como uma coisa muito positiva, mas o presidente da FIA já deveria ter aprendido que não adianta restringir (ou congelar) os investimentos em uma área. A sanha competitiva deste povo faz com que o dinheiro que seria empregado nos motores termine canalizado em outro setor, o da aerodinâmica. Assim, os carros tendem a ficar mais e mais dependentes de ar limpo para que sejam rápidos – e as ultrapassagens tendem realmente à extinção.

No final, os custos não vão diminuir, mas as corridas devem ser ainda mais chatas. Será possível que ele não tenha percebido isto?

7 comentários:

Rodrigo disse...

É meu amigo, enquanto não tirarem nossos amigos Max e Bernnie (e seus pupilos) estiverem por lá, essa é a Fórmula 1 que iremos acompanhar.

Anônimo disse...

Ico,

essa é, como vc bem disse, mais uma daquelas idiotices revestidas de boas intençoes.

Já dizia Oscar Wilde que a humanidade seria destruída pelas boas intenções, só que neste caso específico seria a F1.

Acresento que além do problema da aerodinâmica apontado por vc, os motores por não terem mais uma diferença de potência muito grande uns dos outros, tb influenciará negativamente no caso das ultrapassagens.

Fico imaginando essas notícias de que a Audi e a Hyundai entrarão na categoria, pois será um risco muito grande, afinal se não acertarem de primeira no motor, babau ! vão ficar passando vergonha por no mínimo dois anos.

Nunca pensei que falaria isso mas com Balestre a gente era feliz e não sabia.

Abs

Filipe W

Lucas Carioli disse...

Será possível que ele não tenha percebido isso?

Sim é. Conhecendo Max, um grande advogado mas que não entende nada de mecânica, é perfeitamente possível. No livro "Mais que Vencedor", Alex Dias Ribeiro conta coisas incríveis (no mau sentido) sobre seu chefe na March em 1977, ninguém menos que o próprio Mosley.

É por isso que eu digo que o automobilismo só vai ver uma luz no fim do túnel quando alguém depor esse homem do poder.

Abraços!

bafo disse...

e a introducao do tal motor "ecológico"? foi mais uma que subiu no telhado?

Dr. Risardo F. Caldas disse...

Realmente a regra de congelamento do motor é uma das piores possíveis à longo prazo, pois volta os investimentos para aerodinâmica, que só prejudica a competitividade.

A menos que o Sr. Mosley tenha em mente aprovar a volta do ground effect, toda inovação aerodinâmica vai afetar diretamente o ar do competidor que vêm atrás e dependendo do trade-off, é possível que as equipes coloquem aparatos aerodinâmicos exatamente visando sujar o ar e impedindo de vez ultrapassagens.

E com todos esses esforços, o que vemos é uma Fórmula 1 cada vez mais cara e chata. Daqui a pouco adotam uma pontuação como a NASCAR e playoffs, para manter a competitividade numérica, já que na pista já foi pro espaço.

Herik disse...

E olha a incoerência.
Há um tempo o Mosley lançou um monte de medidas pretendendo carros mais "ecológico" sob a desculpa de melhor aproveitamento de tecnologia para uso posterior nos carros de rua.
Mas congela o desenvolvimento dos motores, justamente a parte do carro que mais relacionada com a questão ecológica e que sua tecnologia pode ser melhor aproveitada na indústria automobilística. Ou será que a aerodinâmica de um F1 pode ser aplicada em carros de rua?
Sinceramente, não vejo lógica nessas idéias do Mosley, a não ser a de "querer aparecer" nos jornais.
Êta cara sem noção!

Anônimo disse...

Ico, acho que o Max já está numa (supondo que ele realmente se importe com isso) de que ele não está errado, que são necessários apenas "alguns ajustes" na sua fórmula mágica e assim ele va insistindo nos mesmos erros.

Filipe W