quinta-feira, 4 de setembro de 2008

ENFRENTANDO OS FANTASMAS

Faz frio em Spa-Francorchamps, mas o clima por aqui é dos melhores: já dá para sentir um clima de decisão no paddock, um misto de tensão e ansiedade que, em graus diferentes, vai tomando conta de todos os envolvidos com a categoria. Hoje, as entrevistas de Felipe Massa e Lewis Hamilton foram concorridíssimas e, de mais interessante, trouxeram ambos combatendo alguns fantasmas. O do brasileiro é a chuva. Sua coletiva no motorhome da Ferrari foi feita, como de costume, em três fases: uma bateria de perguntas dos italianos, seguido de questões em inglês para a imprensa do mundo todo e terminando num círculo menor com os brasileiros.

Diante da expectativa de um final de semana chuvoso, Massa teve de responder em três idiomas aos comentários de que não sabe pilotar no molhado. Foi incisivo e convincente ao afirmar o contrário (confira o papo aqui), mas seria um bom negócio confirmar estas palavras com um resultado positivo numa eventual corrida com chuva – embora a previsão local aponte chances pequenas de chover no domingo, um pouco maiores no sábado e água na certa amanhã.

Depois de um desempenho na Inglaterra abaixo da crítica, os temores sobre a habilidade de Massa no molhado são absolutamente justificados. Mas sua moral no paddock é alta e foi muito interessante ver hoje a série de elogios que ele recebeu de Robert Kubica, que foi sincero ao dar sua opinião. “Acho que maioria das pessoas não percebe que ele está fazendo um trabalho muito bom. Ainda se lembram dos momentos em que ele estava rodando e é difícil mudar uma opinião depois que ela se forma. No passado ele cometeu muitos erros, mesmo no início deste ano, mas seu trabalho ultimamente está sendo ótimo. Não é fácil ser um problema para o Kimi e ele está conseguindo isso. Está certo que algumas vezes o finlandês é mais rápido, mas ultimamente Felipe está na sua frente quase o tempo todo, e por margens muito grandes”.

Hamilton também encarou o seu dragão: a incrível forma como perdeu o Mundial do ano passado. “Este ano estou mais maduro. Naquela ocasião, não sabia o que esperar e encarava cada corrida individualmente. Agora já tenho uma visão global e sei que é preciso correr pensando em somar pontos”, falou. Foi o que ele fez inteligentemente em Valência, mas Massa contra-atacou. “Sinceramente, acho que neste ano ele foi bem menos consistente do que tinha sido no ano passado até esta altura”. Verdade verdadeira. O inglês anda bem confiante no potencial do carro da McLaren para as corridas que faltam e, supresa, Rubens Barrichello corroborou sua opinião. “Me parece que a McLaren conseguiu acertar o carro para uma variedade maior de pistas que a Ferrari”, opinou o brasileiro.

Falando em Barrichello, quem está presente aqui é sua irmã Renata, principal parceira do piloto na administração de todos os aspectos de sua carreira – incluindo obviamente a dos contratos com as equipes. Pelo jeito, deve haver uma rodada de negociação com a Honda aqui na Bélgica e talvez um acerto esteja próximo – dizem até que por dois anos, o que seria uma ótima notícia para ele. Vamos aguardar se isto se confirma.

Outros três brasileiros aguardam definições para saber seu futuro na F-1: Nelsinho Piquet, Lucas di Grassi e Bruno Senna. Este último, que já teve seu nome ligado à Toro Rosso, Honda e BMW, já pode adicionar outras duas equipes para a lista: Williams e a própria Renault. Confusão de rumores, respostas evasivas, relatos desencontrados: o mercado de pilotos este ano anda mais enevoado do que a pista de Spa na manhã de um dia frio. Mal dá para distingüir o que é floresta e o que é asfalto.

3 comentários:

Anônimo disse...

Está aí uma equipe sob medida para Bruno Senna: Williams.
Mas não há nenhum indício da saída de Rosberguinho ou Naka.
Sinceramnte, acho que era melhor mais 1 ano de Senna na GP2

Ajzas disse...

Na minha opinião o Felipe Massa trabalhou muito, evoluiu e demonstra claramente ser o melhor e mais rápido piloto da atualidade. Mas, não adianta, enquanto ele não for campeão muitos vão continuar a dizer 'abobrinhas' sobre ele. Esperem até Massa ganhar o título, vocês vão ver como os mesmos que dizem abobrinhas vão passar a elogiá-lo.

Anônimo disse...

Mesmo que o Massa seja campeão, é só dar as primeiras rodadas que todo mundo vai descer o pau nele.

Pra mim, muito mais que o Bruno Senna, quem merece uma chance é o Di Grassi. Tomara que ele vença uma das corridas de Spa.