sexta-feira, 5 de setembro de 2008

PAGANDO PELA FESTA DOS OUTROS

Não é à toa que as corridas da Fórmula 1 estão migrando cada vez mais para países mais exóticos. Como está virando costume nas provas da categoria na Europa, os organizadores do GP da Bélgica vão depender de arquibancadas cheias para não sair no prejuízo. De acordo com o coordenador geral André Maes, os gastos com a corrida giram em torno de 20 milhões de euros – sendo que apenas a taxa paga para a Formula One Management gira em torno de 14 milhões. A torcida é para que o público total no domingo chegue a 80 mil pessoas, mas a possibilidade de chuva e as vendas até agora sugerem um público menor que o do ano passado, que teve 70 mil pagantes no dia da corrida.


Em países como Bahrein, Malásia ou Cingapura, o público é menor – as muitas arquibancadas às moscas do lindo circuito de Sepang neste ano não me deixam mentir. Mas seus governantes têm recursos de sobra para bancar do próprio bolso um espetáculo que promove seus países no mercado global, do lado econômico e também do turístico. as provas no velho continente dependem da torcida e jogam os preços do ingresso em cima. Num período de recessão econômico, isto tem espantado o público. Mesmo onde a Fórmula 1 nasceu e onde suas equipes estão sediadas, as tribunas andam cada vez mais vazias.

2 comentários:

Anônimo disse...

é foda, como é que a motogp consegue bota mais de 100.000 em todas as corrisdas na europa??

Rodrigo Duarte P.L.R. de Barros disse...

Olá!

E no Brasil, o prejuíso é muito grande?

Adoro o teu trabalho. Teus textos são excelentes e acabei me viciando também na miniaturas que você tanto mostra por aqui. Estou até providenciando uma estante para organizar tudo aqui no meu escritório.

Um grande abraço...