terça-feira, 12 de maio de 2009

É GUERRA!

A Ferrari oficializou hoje que não participa desse “mundial de duas classes” proposto pela FIA. Pela tradição da equipe e por seu presidente ser o líder da FOTA, podemos esperar outros nomes se juntando ao boicoteque inclui Toyota, Red Bull e Toro Rosso. Mosley estipulou o dia 29 deste mês como prazo para se inscrever no Mundial do ano que vem. Corre o risco de não ter mais que meia dúzia de nomes.


E sempre é bom lembrar: a regra proposta é ridícula, mas o que está por trás dessa briga é a divisão dos lucros da categoria. Quanto à isso, o melhor depoimento do final de semana em Barcelona foi dado por Eddie Jordan, que estava comentando o GP para a BBC:


- Conhecemos Flavio Briatore, Frank Williams e as outras hienas, das quais eu fiz parte. No futuro, eles teriam de compartilhar sua parte dos lucros em 13 partes, ou mais. Eles não vão aceitar isso nunca, não vão abrir mão de nenhum centavo! Até porque o bolo vai inevitavelmente murchar. O patrocínio para as emissoras de tevê está numa total descendente. E os organizadores de corridas estão no limite com a caução que têm de pagar.


O pau vai muito além do dia 29, tenham certeza disso.

15 comentários:

Hugo Becker disse...

Do ponto de vista esportivo, lamento pelo fato de que o teto orçamentário obviamente não vai passar e consequentemente não teremos aquele grid dos sonhos, com 26 ou mais carros - ainda que a maneira como o limite promete ser imposto seja bastante controversa.

Do ponto de vista político, bem... a Fórmula-1 não vai acabar, e essa guerra - que não é nada boa para a imagem da categoria - vai ser vencida por quem faz o espetáculo, não por quem coordena o espetáculo.

LeandroSpectreman disse...

Star Wars

É guerra! As forças da Federação estão abaladas. Os cavaleiros epinados ameaçam deixar o Circo; Conde Max Ducan não aceita insubordinação e tentará impor a força.Mas, Bernie Sombrio é quem domina o Lado Mau e deve por todo mundo no bolso!

speed.king.thrasher disse...

Vai além do dia 29 com certeza!

Espero que ambos os lados (principalmente Mosley) tenham bom senso ao discutir isso, afinal é o futuro da F1 é que está em jogo.

Se a Ferrari e Red Bull retiram-se da F1 a situação do esporte fica mto complicada.

Mas existe o porém de os gastos seram cada vez mais astronômicos, e de os times não ligados as montadoras cada vez mais entrarem em crise.

Uma situação complicada... mas com bom senso acho q tudo pode se resolver.


abs!

Rafael S. disse...

Não entendo porque as equipes não rompem com a administração da F1 e criam sua própria categoria, prefiro a F1 sem mosley do que a F1 sem ferrari.

Smirkoff disse...

É bem interessante a análise que o Dieter Rencken faz hoje no site da Autosport. Ele diz que as montadoras poderiam comprar a estrutura da A1GP (que está deficitária) e usar as pistas que já estão sob o contrato da categoria para montar sua própria série. Se as cinco equipes "de fábrica" mais a Red Bull e a Toro Rosso puserem três carros cada uma, teria-se um grid de 21 carros. E, livres do Bernie, poderiam cobrar menos pelos ingressos das corridas.

Eu não quero que haja divisão, mas está na cara que esse "barateamento" proposto pela FIA é só para as equipes, não para o público. Talvez seja necessária uma chacoalhada dessas para os dirigentes se darem conta do prejuízo proporcionado por sua própria ganância.

Anônimo disse...

"o que está por trás dessa briga é a divisão dos lucros da categoria"... Ico, por favor, esse tipo de disparate vindo do Eddie Irvine eu até entendo, mas de você??? Cara, para as montadoras, que constituem o grosso da oposição ao regulamento novo, F1 foi e sempre será centro de CUSTO. Você acredita DE VERDADE que a Ferrari está com medo de uma redução no "lucro" (haha!) da sua divisão de F1? A Renault? A Toyota???

Ico (Luis Fernando Ramos) disse...

Sim, se aumentarem a parte no lucro, o custo diminui ou até desaparece. É isso que elas querem.

Anônimo disse...

Opa Ico, valeu pela resposta (tsk, eu preciso me registrar por aqui, esse "Anônimo" não ajuda em nada), mas veja, o meu argumento é que essa diminuição da renda com o aumento de equipes no grid não representa praticamente NADA para as montadoras. Claro, mais dinheiro é sempre mais dinheiro, mas o ponto é que o verdadeiro retorno para as montadoras das suas equipes de F1 é (e você sabe disso, não vou ensinar padre a rezar missa) na forma de exposição da marca e desenvolvimento tencológico. Sob esta ótica, o efeito da limitação de orçamento é danoso por aspectos muito mais significativos do que uma mera redução nas receitas devida ao aumento de equipes no grid (que nem seria notada numa empresa do tamanho da Toyota).

marconi disse...

Eu sou a favor do teto orçamentário desde que seja para todas as equipes. Não tem cabimento as regras estipuladas até o momento.

Henry disse...

ICO,
Esse negócio de fazer legislação para ser burlada, deixem para os políticos conhecidos.

Veja o que aconteceu com a redução de custos deste ano.

Equipes como FERRARI, McLaren e BMW estão reprojetando seus carros em pleno andamento da temporada. Será que isso sai de graça?

E a situação do campeonato é a seguinte: menos de um terço de provas com um campeonato quase definido e as míticas Ferrari e McLaren fora. Algo tem de ser feito. Se não dá pra salvar 2009, salvem 2010.

Henry disse...

E Renault se junta a FERRARI, Red Bull e TOYOTA...

Ico (Luis Fernando Ramos) disse...

Anônimo, seu argumento é PERFEITO, mas aí é uma questao de "quem veio primeiro, o ovo ou a galinha". Para mim, esse regulamento esdrúxulo surgiu como RESPOSTA da FIA ao movimento das equipes em se juntarem na criacao da FOTA para terem maior influência política e maior participacao nos lucros da categoria. Foi uma maneira de Max de "cortar as asinhas" das montadoras no desejo delas por maiores lucros. Por isso que eu digo q o cerne do problema é esse, certo?

Abs!

Thiago Lemos disse...

Henry, se a McLaren, Ferrari e BMW estão no bolo, são porque são incompetentes e não fizeram um carro bom pra esse ano.

Parece papo de torcedor de um São Paulo reclamando que um Barueri é o líder.

Pra mim é salutar Brawn e Red Bull (comandadas pelos competentes Ross Brawn e Adrian Newey, respectivamente) liderando nesse ano, deixa mais interessante a temporada, e mostra que, sem grandes carros, os "pilotos geniais" não são tão geniais assim.

Sobre McLaren e Ferrari, leve em conta que eles estão pagando o preço de brigar até o fim de 2008 e desenvolvendo aqueles carros.
Se elas são míticas, cabem ao Domenicali e ao Whitmarsch fazer um trabalho pra equipe fazer jus ao status que tem.

Fair enough.

Henry disse...

Thiago Lemos,
Discordo.

BMW, McLaren e FERRARI fizeram o carro dentro das regras da FIA: o KERS (do Make Cars Green - Max Mosley) e carros com redução de downforce.

Por questões políticas, Max e Bernie aceitaram o projeto ilegal dos difusores. Para combater a FOTA e para completar o grid de 20 carros que o Bernie tinha que cumprir por contrato com as TVs.

É só pegar a McLaren do GP da China 2008. Se eles não tivessem que dar a guinada dentro das novas regras da FIA, seria simplesmente continuar a fazer o que fazem com maestria.

Uma canetada política - libere os giros de motor - e a FERRARI põe todo mundo no saco.

Desenvolver o KERS (toda complexidade que envolve as relações entre as partes mecânico e eletro-eletrônicas) é muito mais complexo do que uma boa solução aerodinâmica. Às equipes, foram privados os testes. Amarre os pés de um corredor e o resultado só pode ser esse.

Eu não acho que seja pouca coisa o que essas equipes desenvolveram em tão pouco tempo.

Cesar Costa disse...

Ico:
Concordo plenamente com você. O que me espanta é as grandes entrarem nessa "pilha" todos os anos. Vão ficar discutindo "mudanças no regulamento" e Bernie, Mosley & FIA, vão acabar aceitando os "argumentos". Ano que vem, quando ameaçarem uma melhor partilha, virão novas "mudanças no regulamento" e tudo fica como está na partilha. Só acrescentaria o seguinte: como acho que aí ninguém é bôbo, acredito que os executivos das grandes devem estar levando algum por fora, pra ficar nessa discussão besta. Briattore é o exemplo perfeito. Ganha dos dos lados e vai enrolando a Renault...