quarta-feira, 18 de novembro de 2009

KIMI FORA

Então ano sabático será. Um bem polpudo, diga-se de passagem. Os números variam, mas estima-se que Kimi Räikkonen ganharia como multa da Ferrari de sete a dez milhões de euros a mais caso não corra por outra equipe. Nãopara dizer que o dinheiro não pesou na decisão. Na sua negociação com a McLaren, que realmente queria contar com seus serviços, o salário oferecido foi parecido ao número que envolveu Jenson Button (seis milhões), mas seus empresários pediram quase o dobro. Pesaram os pró e os contras, pegaram a calculadora e chegaram à conclusão de que mais valeria a pena ficar em casa sem fazer nada (eventualmente, participações em ralis por pura diversão) do que ganhar o mesmo dinheiro para tentar ser campeão do mundo pela McLaren, encarando uma série de eventos promocionais aborrecidos e um companheiro de equipe forte. Dar-se ao trabalho pra quê?

Se o
seu desejo por suceder na Fórmula 1 fosse tão grande como ele monossilabicamente afirma, a decisão seria outra. Kimi aceitaria o desafio, o corte nos ganhos (nada que atrapalhasse o futuro de quem ganhou centenas de milhões na carreira) e trabalharia como nunca numa equipe que, todos apostam, terá um carro competitivo em 2010.

Na
verdade, teria feito o mesmo na Ferrari. Mas a impressão que ele deixa (não em mim, irrelevante, mas em seus empregadores) é a de não estar totalmente aplicado na rotina massacrante de uma temporada. Seu ânimo parece variar de acordo com cada pista: em Spa ele chega com fogo nos olhos, em outras parece contar as horas para voltar para casa. Vale lembrar que Kimi foi a aposta de Montezemolo para substituir Michael Schumacher na Ferrari. Apenas dois anos depois de conquistar o título, lhe é mostrada a porta de saída. Motivos os italianos devem ter.

Eu
acho sim que a Fórmula 1 vai perder muito com a presença de Kimi Raikkonen. Talentoso, endiabrado nos seus dias (Fisichella que o diga) e carismático às avessas por viver num planeta à parte, como bem definiu Stefano Domenicali, sem se importar com o politicamente correto e toda aquela baboseira que infelizmente acompanha o ambiente da categoria.

Mas
ele nunca será como seu ídolo James Hunt. Uma propensão para festinhas etílicas e um único título mundial os unem. Mas quem leu a ótima biografia do inglês escrita por Gerald Donaldson sabe que Hunt tinha comprometimento total com a vitória, um verdadeiro obcecado que corria longas distâncias diariamente quando poucos pilotos pensavam no condicionamento físico. E que não conseguiu se manter longe da categoria mesmo depois de parar de correr, se tornando um respeitadíssimo comentarista e um tutor de jovens pilotos, como o compatriota de Kimi, Mika Hakkinen (que o venera). Impossível imaginar Kimi falando ao microfone, quanto mais dando conselhos a alguém.

12 comentários:

Daniel Médici disse...

Acho que a Ferrari fez mal a Kimi. Não frequeno os paddocks da F1, portanto meu comentário não pode ser tratado como análise, mas aquele piloto genial que costumava sentar nos carros prateados deu lugar a um burocrata dentre os italianos.

Certamente sua frieza deveria contrastar com os acalorados italianos, principalmente sob o comando de Domenicali. alvez o choque térmico não tenha feito bem ao finlandês.

Mesmo suas vitórias em 2007, quando foi campeão, não parecem ter exigido um grande desempenho dele. Aí veio um Felipe Massa mais amadurecido, que o deixava constantemente pra trás nos sábados - dia em que a F1 costuma definir o vencedor da corrida - e lá se foi o brilho de Kimi.

Uma pena, eu diria. Porque o Raikkonen numa McLaren foi um dos melhores pilotos de seu tempo. Classificações surpreendentes, pilotagens agressivas, uma paixão pelo risco raramente vista numa categoria que cheira a desinfetante. Vai ver ele sucumbiu ao bom mocismo asfixiante dos eventos, das aparições publicitárias, das declarações à imprensa.

Uma Fórmula 1 assim, e com corridas em Marina Bay e Yas Marina e qualquer-coisa-Marina, definitivamente não merece um Raikkonen no grid.

Ico (Luis Fernando Ramos) disse...

Também gosto do Kimi citado por vc, Daniel, o arrojado artista. Mas ele realmente sumiu. Pode ser pelo ambiente da Ferrari, mas acho q foi mais pela própria conquista do título. No planeta dele, isso pode ter lhe tirado aquela gana extra de correr atrás de um objetivo que já havia conseguido. Mas, em se tratando de Kimi, nunca saberemos...

Vermeulen disse...

Só acho que a F-1 evolui demais no pequeno espaço de um ano. Se Kimi voltar em 2011, estará bem aquém dos adversários. Ele dizia que o que importava era apenas ter um carro vencedor, mas não foi bem assim. Mesmo que o dinheiro da rescisão da Ferrari, ele não queria ganhar pouco. E, convenhamos, Kimi fez muito pouco nesses dois últimos anos para justificar seu salário.

Juliano Messaggi disse...

Apesar de depender do seu ânimo é ruim para a Formula 1 perder um campeão dessa maneira.
No final mesmo "is all about money" na minha modestíssima opinião.
A unica coisa é acho que vai ser muito complicado para o Kimi é o alto risco de uma cirrose! (risos!)

Magdalene de Pompadour disse...

Esse alto risco de cirrose é uma coisa bem sem graça de se dizer. Será mesmo que o lance do $ foi mesmo a causa da não ida a McLaren ou seria mais uma das artimanhas do Hamilton?
Duvido muito disso, q fosse mero lance de $, pq se assim fosse ele não tentaria com todas as forças um contrato até esse tempo. Responderia de imediato q 2010 era tempo de férias.
E mais... vou com o comentário de Daniel Médici ... Sensato, cara!^^
abs!

Carlos Colangelo disse...

Ico,

Ta certo isso? "Eu acho sim que a Fórmula 1 vai perder muito com a presença de Kimi Raikkonen. "

Não seria ausência?

Sds,

Carlos

Ricardo disse...

Pois é... Mas como se motivar em pistas tipo Abu Dhabi, Shanghai, Bahrein e outras tantas mais? Como se motivar com uma fórmula que, cada vez mais, se afunda no poço de merda cagada por seus próprios dirigentes (desculpem o termo e a grosseria)? Certo é que a Fórmula 1 não é mais nada além de um espetáculo pobre e polêmico. E esportistas como Kimi não tem lugar nesse reality show de sheiks e asiáticos. Antes, eu realmente acharia que Kimi iria perder muito sem a F1. Mas hoje, tenho certeza que é a F1 que vai perder muito sem o Kimi, se é que ela ainda merece ser chamada como tal... Claro, provavelmente o finlandês já assinou com a Mercedes para 2010. Mas pessoalmente não acredito que ele vá mudar seu jeito de ser, nem de encarar algumas corridas. E, pessoalmente, espero que não mude. Pistas como Yas Marina, Cingapura e Valência não merecem ser encaradas como pistas... Tal qual a F1 não merece mais ser encarada como uma competição... Aliás, falta pouco, muito pouco, para um aficionado há mais de vinte anos como eu, parar de acompanhá-la. A F1, hoje, não merece a atenção de ninguém. Algo deve ser feito com urgência, e que se encare o desinteresse de Raikkonen como um aviso da audiência.

valter disse...

Kimmi, calado, ficou com a "cereja do bolo". Assinou com a Mercedes GP que tem o "DNA" da surpreendente e competente Brawn GP e mais: vai ser dirigida pelo melhor chefe de equipe da atualidade: Ross Brawn. Receita infalivel para ser bicampeão.

Anselmo Coyote disse...

Ico,
Eu acho para o Kimi foi broxante descobrir com que tipo de gente (leia-se Ferrari, italianos, máfia italiana, tifosi, enfim) estava lidando.
F1 é isso. São só negócios.
E neles só quem perde somos nós. Pagamos o mesmo para ver Buemi, Bruno Senna, Alguersuari, Grosjean ou Nakajima numa vaga que poderia ser do Kobayashi. Azar do japa. Quem mandou ele ser duro. Vê se se enxerga, sushi-maker.
As equipes, os patrocinadores, os investidores, o flanelina, o manobrista, o vendedor de picolé ou cachorro-quente, a imprensa, enfim, todos que os envolvidos na F1 só dão ouvidos ao tilintar dos dobrões de ouro. Então, é apropriado um piloto agir tal e qual, resguardando a própria algibeira.
Sou fã do Kimi e prefiro vê-lo feliz no rali a infeliz e sem dignidade na F1.
Se não se confirmar que a Mercedes (ou outra) o contratou, que corram com o Button, Webber, Heiddfeld, Kovaleinen, Buemi, Nelsinho, Bruno Senna, Alguersuari, Grosjean, Nakajima ou o raio que os partam. Afinal, para eles são todos a mesma coisa. O que nós, fãs do esporte, das equipes e dos pilotos, pensamos ou queremos não conta.
Abs.

Luiz G disse...

Acho que ele perdeu o instinto selvagem depois que foi campeão.

Teve uma ou duas grandes apresentações, mas perdeu o brilho.

Acho que ele conseguiu o título e faz bem em ir embora e viver a vida como gosta.

Parabéns pelo bom trabalho, adeus e um abraço.

Luiz G disse...

...Acabei de ler que há quem diga que Raikkonen estará na mercedez em 2010....será verdade?

Pinheirinho disse...

Kimi Raikkonen confirma que está da Fórmula 1. Finlandês afirma que só voltará em 2011 se tiver um carro competitivo.
Pinheirinho é divulgador cultural é maranhense, a partir de Brasília. - E-mail: pinheirinhoma@hotmail.com