sexta-feira, 11 de dezembro de 2009

A HORA DE DI GRASSI

“Estou animadaço”, vibrou Di Grassi quando lhe telefonei perguntando da sua chegada à Fórmula 1. O brasileiro vai correr na equipe Virgin, embora oficialmente vai poder falar disso quando a mesma oficializar sua contratação na semana que vem, na Inglaterra. Aos 25 anos de idade, ele se junta aos confirmados Felipe Massa (Ferrari), Rubens Barrichello (Williams) e Bruno Senna (Campos) para formar um quarteto de brasileiros na categoria. “Sou amigo pessoal de todos eles, vai ser um prazer estarmos juntos, disputando na pista. Acho que nossa amizade vai se fortalecer”, disse (confira aqui).

Di Grassi
chega com o apoio de patrocinadores brasileiros e vai para uma equipe que parece bem estruturada. O companheiro de equipe Timo Glock traz a experiência de duas temporadas na Fórmula 1 e também o suporte financeiro de um patrocinador pessoal, a Deutsche Post. O carro está sendo feito inteiramente no computador por Nick Wirth, sem o uso de túneis de vento. Ele conseguiu bons resultados criando o protótipo Acura da ALMS dessa forma.

Fiquei
muito feliz com a novidade. Di Grassi rondou a Fórmula 1 por muito tempo e fez um grande trabalho na GP2, especialmente no ano passado, quando chegou a brigar pelo título mesmo não disputando o primeiro terço do campeonato. Adrián Campos, que foi seu chefe na ocasião, teceu um rosário de elogios a ele na semana passada em São Paulo “Lucas é um piloto muito bom, inteligente, sabe pensar muito bem o que fazer durante a corrida. Seu único defeito é que às vezes pensa um pouco demais, mas isso é facilmente corrigível com a experiência”. O brasileiro também é muito querido pelos engenheiros da Renault, tido como aplicado e de muito bom feedback técnico. Sua tarefa em 2010 será a de bater Glock – com quem lutara pelo título da GP2 em 2007.

9 comentários:

Kico disse...

A temporada 2008 do Di Grassi na GP2 foi soberba. Se nao tivesse sido jogado 2 vezes pra fora da pista, poderia ter ganho o campeonato. E o Brasil com 1 timaço 2010 na F1. Só fera!

kohara disse...

Finalmente chegou a chance que ele tanto esperava nos últimos anos. Ficam os parabéns para ele.

Torço por ele, para que tudo dê certo, que o carro produzido de forma revolucionária não cobre uma fatura alta, que consiga andar próximo ou à frente de um piloto experiente e que ele corresponda às espectativas. Enfim, sorte ao Lucas. =)

Abraço!

Anônimo disse...

Sem túnel de vento? Vai passar vergonha no início. Daqui há uns 2 anos talvez funcione.

Ricardo Rocha disse...

a falta de testes em um túnel de vento.... os comentários que já vi por aí sobre isso, indicam que o projeto tem boas chances de ser um fiasco.

algum comentário adicional sobre isso, Ico?

Pezzolo disse...

vão ter trabalho em 2010 de correr atrás de 4 pilotos! esse ano era só 1...
mas será que essas equipes novas vão andar? eu tenho lá minhas dúvidas... acho bem capaz de termos duas categorias " separadas" em 2010, o que tanto temiam pode acontecer...

Misael disse...

Grande notícia! Rápido e inteligente. Ele sabe a hora certa de andar mais forte ou poupar o equipamento. Isso fará a diferença no novo regulamento. Tomara que o carro seja ano mínimo razoável.

Sorte pra ele em 2010!

Tertuliano disse...

A galera do fórum F1 Technical diz que esse detalhe do carro ser criado inteiramente no computador tende a dar ensejo para um retumbante fracasso.

Aderson disse...

O carro da Renault deste ano foi criado no computador, fez testes de tunel de vento e ainda sim foi um tremendo fiasco.
Imagina um carro só feito no computador??
Acredito que o carro da Lotus, projetado pelo incompetente Mike Gascoyne, vai andar melhor que esse modelo da Cabaço Racing.

Personnalidade disse...

Não me lembro se foi neste blog ou eu outro que disse que um carro de F1 concebido apenas pelo computador sem desenvolvimento em túnel do vento daria pena. Até o final do campeonato veremos...