quarta-feira, 9 de março de 2011

O AVÔ DAS ASAS MÓVEIS


Se pensarmos na evolução dos conceitos aerodinâmicos no automobilismo, é curioso ver que o princípio da asa traseira móvel vai de encontro às ideias dos primeiros passos feitos nessa área. Como naqueles enormes aerofólios surgidos no final dos anos 60, com os pilotos mudando sua posição para a freada (mais perpendicular ao solo) e para a reta (mais parelelo).

Mas, no fundo, esse conceito já estava presente mesmo nos anos 50. E meio por acaso. Quando a Mercedes desenvolveu o modelo 300 SLR para as competições em Le Mans, criou um flap que era acionado mecanicamente nas freadas para ajudar a segurar o carro e aliviar o desgaste dos freios a tambor, muito acentuado na prova pelas freadas intensas depois de longas retas.

A ideia gerou mil protestos dos concorrentes, por motivos óbvios: quando um carro da Mercedes freava, quem vinha atrás tinha o campo de visão severamente bloqueado e podia perder o seu próprio ponto de freada. No final das contas, o trágico acidente com Pierre Levegh motivou a retirada da marca na prova de 1955, quando a novidade foi utilizada, e jamais se comprovou se o flap realmente aliviava o desgaste dos freios.

Mas o uso da solução como uma espécie de aerofólio ficou claro na genialidade dos dois principais pilotos da marca. Juan Manuel Fangio e Stirling Moss logo perceberam que poderiam usar o dispositivo em três fases distintas: fechado para as retas; aberto nas freadas; e levemente entreaberto nas saídas de curvas, o que garantia uma melhor estabilidade do carro na reaceleração. Mais asa móvel do que isso, impossível.

(Foto Mercedes)

6 comentários:

Ron Groo disse...

É exatamente pensando neste acidente de Levegh que eu temo por estas traquitanas novas nos f1...

Marcelonso disse...

Ico,


Nossa torcida é para que esses aparatos funcionem sem maiores problemas, mas que o risco de uma
zebra grande acontecer, infelizmente é real.

abs

Rianov Albinov disse...

Um paredão!

Meu caro, te citei aqui: http://f1nostalgia.blogspot.com/2011/03/3-anos.html

Depois você dá uma olhada.
Abraços

Gabriel Souza disse...

Isso só reforça o ditado: "nada se cria, tudo se copia."

Abraço!

Anônimo disse...

Ico,

Sei que estou escrevendo "atrasado", mas aí vai uma boa foto da asa da Mercedes 300SLR em ação, em 1955, nas 24 Horas de Le Mans...

http://www.crasherama.dk/LeMans1955/lemans55_4.jpg

um abraço
Renato Breder

Luís disse...

Sem falar dos Porsche, mas ai baniram rapidinho...